Samhain

31 de Outubro

O Samhain (pronuncia-se “sou-en”), também chamado de Halloween, Hallowmas, Véspera de Todos os Sagrados, Véspera de Todos os Santos, Festival dos Mortos e Terceiro Festival da Colheita, é o mais importante dos oito Sabbats dos Bruxos. Como Halloween, é um dos mais conhecidos de todos os Sabbats fora da comunidade wiccana e o mais mal-interpretado e temido.

Samhain celebra o final do Verão, governado pela Deusa. (O nome Samhain significa “Final do Verão”.)

Samhain é também o antigo Ano Novo celta / druida, o início da estação da cidra, um rito solene e o festival dos mortos. é o momento em que os espíritos dos seres amados e dos amigos já falecidos devem ser honrados. Houve uma época na história em que muitos acreditavam que era a noite em que os mortos retornavam para passear entre os vivos. A noite de Samhain é o momento ideal para fazer contato e receber mensagens do mundo dos espíritos.

A versão cristã do Samhain é o Dia de Todos os Santos (1o de novembro), que foi introduzido pelo Papa Bonifácio IV, no século VII, para substituir o festival pagão. O Dia dos Mortos (que cai a 2 de novembro) é outra adaptação cristã ao antigo Festival dos Mortos. é observado pela Igreja Católica Romana como um dia sagrado de preces pelas almas do purgatório.

Em várias regiões da Inglaterra acredita-se que os fantasmas de todas as pessoas destinadas a morrer naquele ano podem ser vistos andando entre as sepulturas à meia-noite de Samhain. Pensava-se que alguns fantasmas tinham natureza má e, para proteção, faziam-se lanternas de abóboras com faces horrendas e iluminadas, que eram carregadas como lanternas para afastar os espíritos malévolos. Na Escócia, as tradicionais lanternas Hallows eram esculpidas em nabos.

Um antigo costume de Samhain na Bélgica era o preparo de “Bolos para os Mortos” especiais (bolos ou bolinhos brancos e pequenos). Comia-se um bolo para cada espírito de acordo com a crença de que quanto mais bolos alguém comesse, mais os mortos o abençoariam.

Outro antigo costume de Samhain era acender um fogo no forno de casa, que deveria queimar continuamente até o primeiro dia da Primavera seguinte. Eram também acesas, ao pôr-do-sol, grandes fogueiras no cume dos morros em honra aos antigos deuses e deusas, e para guiar as almas dos mortos aos seus parentes.

Era no Samhain que os druidas marcavam o seu gado e acasalavam as ovelhas para a Primavera seguinte. O excesso da criação era sacrificado às deidades da fertilidade, e queimavam-se efígies de vime de pessoas e cavalos, como oferendas sacrificiais. Diz-se que acender uma vela de cor laranja à meia-noite no Samhain e deixá-la queimar até o nascer do sol traz boa sorte; entretanto, de acordo com uma lenda antiga, a má sorte cairá sobre todo aquele que fizer pão nesse dia ou viajar após o pôr-do-sol.

As artes divinatórias, como a observação de bola de cristal e o jogo de runas, na noite mágica de Samhain, são tradições wiccanas, assim como ficar diante de um espelho e fazer um pedido secreto.

Os alimentos pagãos tradicionais do Sabbat Samhain são maçãs, tortas de abóbora, avelãs, Bolos para os Mortos, milho, sonhos e bolos de amoras silvestres, cerveja, sidra e chás de ervas.

Incensos: maçã, heliotropo, menta, noz-moscada e sálvia.
Cores das velas: preta, laranja.
Pedras preciosas sagradas: todas as pedras negras, especialmente azeviche, obsidiana e ônix.
Ervas ritualísticas tradicionais: bolotas, giesta, maçãs beladona, dictamo, fetos, linho, fumária, urze, verbasco, folhas do carvalho, abóboras, sálvia e palha.

Ritual do Sabbat Samhain

Em muitas tradições wiccanas, é costume o Bruxo jejuar um dia inteiro antes de realizar o Ritual do Sabbat Samhain.

Após o banho ritual com água salgada para limpar seu corpo e sua alma de todas as impurezas e energias negativas, coloque uma veste cerimonial longa e preta (a menos que prefira trabalhar sem roupa, como fazem muitos Bruxos), use um colar de bolotas feito a mão em torno do pescoço e coloque uma coroa de folhas de carvalho na cabeça.

Comece traçando um círculo de 3m de diâmetro, usando giz ou tinta branca. Coloque 13 velas pretas e cor de laranja em torno do círculo e à medida que for acendendo cada uma diga:

VELA SAMHAIN DO FOGO TãO BRILHANTE CONSAGRE ESTE CíRCULO DE LUZ.

No centro do círculo erga um altar voltado para o norte. No centro do altar, coloque três velas (uma branca, uma vermelha e uma preta) para representar, cada uma, uma fase da Deusa Tripla. à esquerda (oeste) das velas, coloque um cálice com sidra e um prato contendo sal marinho. à direita (leste) das velas, coloque um incensório com incenso de ervas e uma pequena tigela com água. Diante das velas (sul), coloque um sino de altar de latão, um punhal consagrado e uma maçã vermelha. Faça soar três vezes o sino do altar e diga:

SOB O NOME SAGRADO DA DEUSA E SOB A SUA PROTEçãO, INICIA-SE AGORA ESTE RITUAL DO SABBAT.

Salpique um pouco de sal e água em cada ponto da circunferência em torno do círculo para limpar o espaço de qualquer negatividade ou influência maligna. Pegue o punhal com a mão direita e diga:

OUÇAM BEM, ELEMENTOS, AR, FOGO, áGUA E TERRA. PELO SINO E PELA LÂMINA EU VOS CONVOCO NESTA SAGRADA NOITE DE ALEGRIA.

Mergulhe a lâmina do punhal no cálice com a sidra e diga:

EU TE OFEREÇO, OH, DEUSA, ESTE NÉCTAR DA ESTAÇÃO.

Coloque o punhal de volta no altar. Acenda o incenso e as três velas do altar e diga:

TRÊS VELAS EU ACENDO EM TUA HONRA, OH, DEUSA: BRANCA PARA A VIRGEM, VERMELHA PARA A MÃE, PRETA PARA A ANCIÃ. OH DEUSA DE TODAS AS COISAS SELVAGENS E LIVRES, A TI ERGO ESTE TEMPLO SAGRADO EM PERFEITA CONFIANÇA.

Pegue o cálice com ambas as mãos e derrame algumas gotas da sidra sobre a maçã, dizendo:

AO VENTRE DA DEUSA MãE RETORNA AGORA O DEUS, ATé O DIA EM QUE NOVAMENTE RENASCERÁ. A GRANDE RODA SOLAR GIRA MAIS UMA VEZ. O CICLO DAS ESTAÇÕES NÃO TERMINA NUNCA. ABENÇOADAS SEJAM AS ALMAS DAQUELES QUE VIAJARAM ALéM PARA O MUNDO ESCURO DOS MORTOS. EU DERRAMO ESTE NÉCTAR EM HONRA À SUA MEMÓRIA. QUE A DEUSA OS ABENÇÕE COM LUZ, BELEZA E ALEGRIA. ABENÇOADOS SEJAM! ABENÇOADOS SEJAM!

Beba o restante da sidra e, então, coloque o cálice no seu lugar no altar. Faça soar o sino três vezes, desfaça o círculo apagando as velas de cores laranja e preta, começando do leste e movendo em direção levógira. Pegue a maçã do altar e enterre-a do lado de fora para nutrir as almas dos que morreram no último ano.

O Ritual de Samhain está agora completo e deve ser seguido de meditação, divinação em bola de cristal, recital de poesia mística inspirada na Deusa e uma prece dos Bruxos pelas almas de todos os membros da família e dos amigos que passaram para o Plano Espiritual.

Abóbora – “A Rainha da Festa”

O símbolo que melhor representa o Halloween é, sem dúvida, a grande abóbora cor de laranja, e como toda bruxa gosta de fazer misturas no seu caldeirão, essa comemoração nos remete diretamente à cozinha, paraíso das alquimias, misturas mágicas e transformações surpreendentes.
A Pumpkin Pie (Torta de abóbora) é a rainha da festa. Uma deliciosa crosta de torta recheada com um creme de abóbora temperado com especiarias (cravo, canela e noz-moscada). Uma delícia irresistível nesses dias.

A abóbora também serve de base para pães, bolos, sopas e biscoitos (modelados nos formatos de morcegos, gatos, bruxas e fantasminhas).

Pumpkin Pie – Torta de Abóbora


Crosta:

1 1/2 xícara – farinha de trigo (simples sem fermento ou especial)
1/3 xícara – água fria
3/4 – 1 xícara – gordura vegetal

Misture o trigo e a gordura primeiramente. Use um garfo para “cortar” a gordura pra dentro do trigo.
Misture e adicione a água que precisar aos poucos usando os dedos para “chuviscar” até a massa ter uma consistencia. Trigo em geral tem niveis diferentes de humidade então acresenta a água devagar, misturando, e só água suficiente que a massa aglomera em granulos tamanho de ervilha.
Achatar a massa. Utilize um saco plastico grande ou duas folhas de papel de cera. Utilizando um rolo ou até uma garrafa espalhe a massa até tiver uma grossura uniforme e um pouco maior do que a sua panela de assar a torta.
Coloque a casca na panela e vai moldando no formato da panela. Não se preocupe se a massa quebrar isto pode ser tampado com os restos da massa. Corta a massa em volta da panela e até crie uma beirada decorativa se quiser.
Agora está pronto para adicionar os ingredientes da torta e colocar no forno.
Lave bem a abóbora com água (nada de sabão). Partir no meio e raspar o interior tirando as sementes e restos usando uma colher grande. Cortar fora a haste da abóbora. Colocar em recipiente para poder assar no microondas (pode cortar em peças menores se precisar). Cozinhe no máximo por 15 minutos ou até que a carne fique mole. Você pode ferver tambem mas leva mais tempo. Usando uma colher grande retire a carne da abobora até sobrar somente a casca. Bate esta carne no liquidificador um pouco ou use um garfo para criar um puré.

Aquece o forno para C200 graus.

Recheio:

1 xícara – açúcar

1 1/2 colher de chá – canella em pó

1 colher de chá – cravo da Índia em pó

1/2 colher de chá – gengibre em pó

4 – ovos

3 xícaras – puré de abóbora

1 1/2 latas – leite condensado

Misture bem com batedeira.

Coloque a mistura na crosta enchendo até pouco mais da metade.

Assar por 15 minutos depois abaixar o forno (C175 graus) e assar por mais 45 – 60 minutos. Está pronto quando pode enfiar uma faca de mesa limpa e retirar sem que nada gruda.

Deixe a torta esfriar um pouco e servir com chantilli em cima, sorvete ou simples.

Pão de Abóbora

Ingredientes:

2 xícaras de açúcar
3 1/2 xícaras de farinha
2 colheres de chá de bicarbonato de sódio
2 xícaras de abóbora amassada
1 colher de chá de canela
4 ovos
1 xícara de óleo
2/3 de xícara de água
1 xícara de passas
1 colher de chá de noz-moscada

Misture todos os ingredientes numa tigela grande. Unte duas formas grandes ou três pequenas para pão, e encha com a mistura. Asse a 150ºC por uma hora. Resfrie as formas num suporte. Embale para manter o frescor.

Sopa de Abóbora com Gengibre

Ingredientes:

800 gr de carne de abóbora (pesado sem as sementes)
1 cebola
1 batata grande
2 dentes de alho
2 colheres de banha ou [azeite]
1/2 l de caldo de legumes
3 cm de gengibre, picado
1/2 colher de chá de cominhos moídos
1/2 colher de chá de manjerona seca
sal, pimenta
um pouco de molho Habanero [opcional]
3 colheres de sopa de Crème fraîche ou [natas]

Para os CROÛTONS

4 fatias de pão de forma ou normal
1 colher de sopa de manteiga ou [azeite]
[tempere com sal de tomate e alho em pó]

Preparação:

Cortar a abóbora em quartos e tirar as sementes. Não é preciso descascar, pois ao cozer a abóbora a casca fica mole e pode ser comida também. Cortar a abóbora em cubos e fritar no azeit com a cedola picada e o alho. Juntar o caldo de legumes, a gengibre, a manjerona, sal e pimenta e deixar ferver/cozer por 25 min tapado.
Adicionar as natas, mexer bem e triturar com a varinha mágica até se obter um creme. Juntar caldo de legumes se ficar muito tipo puré. Deixar cozer mais 2 minutos e verificar os temperos.

Para os croûtons tira-se a côdea do pão e corta-se em cubos de 1 cm große Würfel. Frita-se em azeite e tempera-se com sal de tomate e alho em pó até estarem douradinhos.

Servir a sopa com os croûtons.

Abóbora com Carne Moída

Para 4 Pessoas

Ingredientes:
1 abóbora pequena
2 cebolas
500 gr de carne moída
2 colheres de sopa de azeite
sal
pimenta
2 gr de canela
2 gr de cardamomo, moído
2 gr de cominho, moído
2 colheres de chá de açúcar
1 lata de tomates, cortado em cubos
1 lata de molho de tomates
2 colheres de sopa de salsa, cortada

Abrir a abóbora, limpar, cortar em fatias finas e descascar. Picar as cebolas.
Fritar a carne moída uma panela/frigideira grande com o azeite. Juntar as cebolas e os temperos. Depois adiciona-se a abóbora e o tomate e deixa-se cozer como tampa por 15-20 minutos.
Ao servir põe-se a salsa cortada.
Arroz fica muito bem como acompanhamento.

Bolinhos de Abóbora e Amêndoa

Cozinhar cerca de 400 grs de abóbora com 1/2 colher de sopa de canela em pó e raspas de 1 limão, deixar cozer até ficar macia e colocar para escorrer. Amassar bem a abóbora, juntar 2 chávenas de açúcar e mexer bem. Adicionar 2 ovos, bater até ficar um creme homogéneo, juntar 1 colher de sopa de canela, 1 cálice de vinho do porto, amêndoa q.b. e envolver bem na massa.
Por fim adicionar 1 chávena de farinha, 1 chávena de amido de milho e 1 colher de sobremesa de fermento em pó, envolver bem sem bater.
Entretanto alinhe forminhas de papel nas formas de muffins e encha as forminhas com a massa,leve a cozer a forno quente cerca de 25 minutos.
Decore a gosto depois de frias.

Purê de Abóbora com Carne de Sol

INGREDIENTES

Purê de abóbora
300g de abóbora cozida
80g de manteiga
1 colher de sopa de cebola
100ml de leite de coco
25ml de creme de leite
Sal a gosto

Carne de sol

200g de carne de sol desfiada
1 colher de sopa de azeite
1 colher de sopa de manteiga
1 cebola roxa picada
Sal e coentro a gosto

MODO DE PREPARO

Purê de abóbora

Passe a abóbora cozida em uma peneira e reserve. Em uma panela quente, derreta a manteiga, refogue a cebola roxa, adicione a abóbora e sal a gosto. Acrescente o creme de leite e mexa em fogo baixo.

Carne de sol

Cozinhe a carne em uma panela com água, que deve ser trocada até que todo o excesso de sal seja retirado. Depois de cozida, retire o excesso de gordura da carne de sol. Em uma frigideira, coloque o azeite, a cebola roxa picada e a carne de sol desfiada, refogue os ingredientes e tempere com sal a gosto. Desligue o fogo e fique a vontade para decorar com o coentro. Monte o prato de acordo com sua preferência.

Risoto de Carne Seca e Abóbora

Ingredientes:

– 200gr de arroz arbório;
– 100gr de manteiga sem sal;
– queijo parmesão;
– ½ cebola picada;
– 1 dente de alho picado;
– 1 ½ lt de caldo de frango
– 300gr de carne seca desfiada;
– 300gr de abóbora cabotiá assada e em cubos;
– 1 folha de louro;
– 100ml de cachaça.

Preparo:

Leve uma caçarola ao fogo com a metade da manteiga (acrescente azeite para
não queimar), adicione o alho, a cebola, a folha de louro e refogue. Junte o
arroz, mexendo bem e adicione a cachaça. Junte aos poucos o caldo de carne, mexendo sempre por aproximadamente 14 minutos. Junte a carne seca e continue juntando o caldo de carne por mais 4 minutos. Junte a abóbora e mexa para incorporar os ingredientes. Coloque o restante da manteiga gelada e queijo ralado, mexendo bem. Acertar temperos. Servir em seguida.

Doce de Abóbora com Canela e Baunilha

Receita:

3 xícaras de abóbora cortadas em cubos
2 xícaras de açúcar
3 a 4 xícaras de água
2 pedaços de canela
1 fava de baunilha

Ferver a água com o açúcar, canela e baunilha até o açúcar derreter e começar a formar uma calda. Coloque as abóboras nesta caldinha e cozinhe-as até ficarem vitrificadas e bem macias, mas sem desfazer. Retire as abóboras com uma escumadeira e transfira para um pote de vidro. Então cozinhe a calda em fogo alto um pouco mais até reduzir pela metade e a calda ficar levemente carameliada. Penere a calda e sirva com o doce acompanhado de queijo.

Tortelli de Abóbora

Massa

600 gr. de farinha de trigo
6 ovos

Recheio

1 kg. de abóbora tipo japonesa
Queijo parmesão ralado
Pão amanhecido ralado
Salsa e cebolinha picadas
Noz-moscada ralada
sal

Molho

200 gr. de moelas de galinha
50 gr. de peito de galinha
1 cebola grande picada fina
3 tomates sem pele e sementes picados
2 colheres (sopa) de extrato de tomate
70 ml de óleo
1 colher (sopa) de manteiga
sal e pimenta-do-reino moída a gosto
Queijo parmesão ralado

Recheio

1 – Cozinhe a abóbora com casca em pouca água, sem
deixá-la muito mole;
2 – Descasque, amasse a polpa com um garfo e junte o
queijo, até obter uma massa homogênea;
3 – Misture o pão ralado para dar liga, sem deixar a
massa endurecida. Tempere com a salsa, cebolinha,
noz-moscada e sal.

Molho

1 – Limpe as moelas e pique-as juntamente com o peito
de galinha;
2 – Refogue no óleo quente, junte a cebola, o tomate e
o extrato de tomate;
3 – Tempere com sal e pimenta e cozinhe até a carne
ficar bem macia, acrescentando água de vez em quando,
se necessário;
4 – Quando pronto, acrescente a manteiga.

Massa e Tortei

1 – Coloque a farinha sobre a mesa, faça uma depressão
no centro e coloque os ovos. Misture e amasse bem com
as mãos, até obter uma massa lisa e homogênea;
2 – Cubra com um pano de algodão e deixe descansar por
20 minutos. Abra a massa, com rolo ou máquina, em
folhas finas;
3 – Disponha montinhos de recheios ao longo da folha,
deixando uma boa distância entre eles. Cubra com outra
parte da folha, feche bem as bordas e corte com um
cortador de massa, em retângulos grandes;
4 – Cozinhe em abundante água fervente salgada, por
aproximadamente, quatro minutos;
5 – Escorra, polvilhe queijo ralado, cubra com o molho
e sirva quente.

Torta de Abóbora com Crosta

Ingredientes:

massa:

· 1 e 1/2 xícara (chá) de farinha de trigo
· 50 g de margarina
· 2 gemas
· Sal e noz-moscada ralada a gosto

Recheio:

· 500 g de abóbora
· 2 colheres (sopa) de óleo
· 1 cebola picada
· 1 dente de alho picado
· 2 ovos
· Sal e pimenta a gosto
· Salsa picada a gosto
· 30 g de farinha de caju

Modo de preparo:

massa:

Aqueça o forno a 180ºC. Em um recipiente misture a farinha, a margarina, as gemas, o sal e a noz-moscada. Trabalhe a massa até ficar homogênea. Cubra com filme plástico e leve à geladeira por uma hora.

Recheio:

Cozinhe a abóbora com pouca água até ficar bem macia. Escorra e amasse com um garfo. Reserve. Em uma frigideira aqueça o óleo, doure a cebola e o alho. Misture na abóbora reservada, acrescente os ovos, o sal, a pimenta e a salsa. Abra a massa e forre o fundo e as laterais de uma forma de 24 cm de diâmetro. Ponha o recheio e cubra com a farinha de caju. Leve ao forno por 50 minutos ou até dourar.

Abóboras ao Curry

Retire as sementes de uma abóbora de aproximadamente um quilo e meio, corte em pedaços grandes e leve ao forno (180 graus) por 40 minutos ou até que ela esteja macia. Tire do forno, espere esfriar um pouco e remova as cascas. Corte em cubinhos e acomode em uma vasilha.
Adicione 150g de grão-de-bico cozido e 100g de castanhas de caju. Reserve.

Em uma firigideira, refogue dois dentes de alho e um chili vermelho pequeno em uma colher de chá de óleo de gergelim e uma colher de sopa de óleo de soja. Acrescente 150ml de leite de côco, uma colher de chá rasa de curry em pó, a ponta de uma colher de chá de canela em pó e sal a gosto. Regue a mistura de abóbora, grão-de-bico e castanhas com esse creme e misture tudo cuidadosamente.
Finalize salpicando coentro e salsa picadinhos. Sirva imediatamente como acompanhamento ou “refeição-de-um-prato-só”.

Abóbora com Mousse de Queijo Minas

Ingredientes

Rolinho de abóbora
1 xícara (chá) de açúcar . 180 g
1 pedaço de canela em rama . 2 g
1 pedaço pequeno de gengibre sem casca . 4 g
200 g de abóbora-moranga cortada em lâminas finas

Mousse de queijo

3 colheres (sopa) de gelatina em pó incolor e sem sabor . 4.5 g
½ xícara (chá) de açúcar . 90 g
½ xícara (chá) de creme de leite fresco . 105 g
½ kg de queijo-de-minas fresco sem sal picado
½ xícara (chá) de leite . 120 ml

Modo de Fazer

1. Rolinho de abóbora: em uma panela, misture o açúcar com a canela, o gengibre e 1 litro de água. Leve ao fogo e, ao ferver, disponha as tiras de abóbora e cozinhe por 1 minuto. Retire do fogo, tampe a panela e deixe tomar gosto por ½ hora. Em seguida, faça rolinhos com as tiras de abóbora, arrume em uma assadeira e deixe dentro da geladeira por 2 horas.
2. Mousse de queijo: em uma tigela refratária, hidrate a gelatina em 3 colheres (sopa) de água. Em seguida, leve ao fogo em banho-maria até a gelatina dissolver. Retire do fogo e reserve.
3. Coloque o creme de leite na tigela da batedeira e bata até obter um chantilly. Junte o açúcar, aos poucos e sem parar de bater. Misture com cuidado o queijo – de- minas batido no liquidificador com o leite e a gelatina. Leve à geladeira por 1 hora.
4. Transfira a mousse para um saco de confeitar e recheie os rolinhos de abóbora. Arrume nos pratos e decore com canela em rama.

Rendimento

8 porções de 157 g · 40 minutos (mais 1/2 hora para a abóbora tomar gosto mais 3 horas de geladeira)

Pudim de Abóbora

– 500 g de abóbora limpa

– 50 g de coco ralado

– 50 g de margarina

– 4 ovos

– 1 colher (sopa) de amido de milho

– 4 colheres (sopa) de caramelo líquido

– Raspa de 1 laranja

Parta a abóbora em pedaços e coza-os em água temperada de sal durante 20 minutos.

Retire a abóbora, deixe-a escorrer bem, deite-a para uma tigela, junte o coco, o açúcar, o amido de milho, os ovos, a margarina derretida e a raspa da laranja e mexa muito bem.

Barre uma forma com o caramelo, verta-lhe a mistura e leve a cozer em banho-maria durante 45 minutos. Deixe arrefecer dentro do banho-maria, desenforme e sirva decorado a gosto.

Folhados de Abóbora e Queijo Coroados de Avelãs

Assei a abóbora com sal, louro e azeite no forno durante 30 minutos, coberta com alumínio. Fiz bastante (que usei também numa sopa), para os folhados utilizei umas 200grs batida em puré (não esquecer retirar o louro!!) com um punhado de coentros.

Por unidade:

massa folhada

1 colher sopa creme abóbora e coentros
1 colher sopa queijo fresco em creme(light)
1 colher sobremesa queijo da ilha
avelãs lascadas
+
1 colher chá queijo
1 colher chá abóbora
avelãs
para o topping.

Muffins de Abóbora e Sementes de Papoila

12 unidades

1 chávena de abóbora ou butternut squash, em puré*
1/2 chávena + 2 colheres sopa (cerca de 150ml) natas
1 ovo grande
1 1/3 chávena (cerca de 175g) farinha com fermento
1/2 colher de chá fermento em pó
1/4 colher de chá bicarbonato de sódio
2/3 chávena (cerca de 150g) açucar
1/2 colher de chá canela
1/2 colher de chá gengibre em pó
1/2 colher de chá allspice
1/2 colher de chá noz moscada moída
3 colheres sopa manteiga sem sal, derretida
2 colheres sopa sementes de papoila
açucar em pó, para polvilhar (opcional)

Pré-aqueça o forno a 180°C. Bata o puré de abóbora com as natas e o ovo, numa tigela de tamanho médio. Peneire a farinha, o fermento em pó, o bicarbonate de sódio, o açucar e as especiarias para outra tigela. Adicione as sementes de papoila. Combine as duas misturas, a líquida na seca. Acrescente a manteiga derretida, batendo até obter uma massa homogénea. Deite a massa numa forma de silicone para muffins. Leve ao forno 25 minutos ou até os muffins crescerem e estarem dourados. Remova os muffins da forma e deixe arrefecer sobre uma grelha metálica. Polvilhe com açucar em pó para servir.

O puré cria uma óptima textura húmida nestes muffins com sabor a especiarias, no entanto, estes bolinhos não são bons para guardar e devem ser comidos no espaço de 2-3 dias.

* A abóbora ou butternut squash pode ser cozida em água ou ao vapor ou assada. Eu assei a minha e retirei a polpa com uma colher, depois de a colocar em metades cobertas por alumínio no forno por 45-55 minutos ou até estar mole e cozida.

Suco de Laranja com Abóbora

Ingredientes

200 g de abóbora cozida (1 copo)
Suco de 15 laranjas
Açúcar a gosto
Gelo

Modo de Preparo

Cozinhar a abóbora, bater no liquidificador com o suco de laranja e água gelada.

Observação
Servir gelado

Lasanha de Bacalhau e Abóbora

Ingredientes

1 (chá) de creme de leite fresco
1 (sopa) de salsinha picada
2 (sopa) de azeite de oliva
1 (sopa) de farinha de trigo
1 vidro de leite de côco,peixes e crustáceos
500 gramas de bacalhau porto demolhado
300 gramas de abóbora japonesa
pimenta-do-reino branca moída
3 dente de alho amassado
200 gramas de mussarela
sal

Modo de Preparo

Cortar as abóboras em fatias finas e cozinhar em água fervente. Cortar o bacalhau em fatias. Refogar o alho no azeite e juntar a farinha de trigo, o creme de leite e o leite de côco e deixar engrossar. Acrescentar a salsinha e a pimenta-do-reino. Numa travessa, colocar a primeira camada de molho, depois o bacalhau em tiras, o molho novamente, a abóbora, o molho, o bacalhau, molho, abóbora, molho, bacalhau, queijo mussarela e molho. Levar ao forno.

Polenta de Abóbora com Frutos do mar

Ingredientes:

1 kg abóbora de pescoço (madura)
6 dentes de alho
250 g de batatas
1 cebola roxa
250 g de ervilhas frescas congelada Escolha Saudável Perdigão
800 g de frutos do mar (camarão 7 barbas, vôngoli e marisco)
1 envelope de HONDASHI
1/2 copo de vinho branco seco
100 ml azeite de oliva extra virgem
8 tomates maduros (sem pele e sem sementes)
Sal e pimenta

Preparo:

Descasque a abóbora e corte em cubos (mais ou menos iguais), tempere com sal, azeite e alho.
Coloque no forno coberto com um papel alumínio, deixe cozinhar até murxar, mais ou menos 1/2 hora e reserve.
Cozinhe as batatas, descasque e leve para moer junto com a abóbora.
Pique a cebola e refogue com azeite.
Acrescente a ervilha fresca, deixar cozinhar por alguns minutos, junte o hondashi e misture dentro da polenta. Verifique o sal e acrescente caso queira.
Refogue em uma frigideira o azeite e 2 dentes de alho cortado ao meio.
Coloque os frutos do mar, o vinho branco seco e deixar evaporar.
Tire do fogo, escorra e reserve, acrescente um pouco de azeite na frigideira.
Coloque os tomate em cubos, salgue, deixar cozinhar de 10 à 15 minutos , coloque de volta os frutos do mar e desligue.

Montagem:

Coloque a polenta no prato cobrindo o fundo
Abrir uma parte ao meio e coloque o molho (bem quente).
Sirva em seguida

Suflê de Abóbora

800 gr de abóbora cortada em cubos
6 colheres de sopa de manteiga
1 xícara de leite quente
Pimenta e noz moscada moídas
1/2 xícara de queijo parmesão ralado
3 ovos, gemas e claras separadas
Sal a gosto

Pré-aqueça o forno em 400ºF/ 205ºC. Cozinhe a abóbora como quiser.Depois passe pelo food mill, ou amassador de batatas. Junte a manteiga, o leite, adicione a pimenta, noz moscada. Coloque as gemas batidas, o queijo e sal a gosto. Bata as claras em neve e junte à mistura de abóbora. Coloque numa forma de suflê bem untada. Asse por 25 minutos. Sirva imediatamente.

Sopa de Abóbora com Maçâs Verdes e Camarões

INGREDIENTES

4 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 cebola picada
2 maçãs verdes picadas (sem casca e sem sementes)
1 maçã verde em fatias finas para decorar
1/2 colher (café) de noz moscada
1 pitada de pimenta da jamaica
1 pitada de canela moída
5 xícaras (chá) de abóbora japonesa sem casca e sem sementes picada
6 xícaras (chá) de caldo de galinha
Sal e pimenta do reino a gosto
24 camarões médios limpos

MODO DE PREPARO

Refogue a cebola em duas colheres (sopa) de azeite. Acrescente a abóbora e as maçãs. Junte o caldo e os temperos
Deixe ferver, abaixe o fogo e cozinhe até a abóbora ficar macia. Bata no liquidificador e volte o creme para a panela
Confira a espessura e os temperos e se estiver muito espessa acrescente mais caldo. Doure os camarões em 2 colheres (sopa) de azeiteSirva quente e decore os pratos com os camarões e as fatias de maçãs.

Aperitivo de Casca de Abóbora

Ingredientes

3 e 1/2 xícaras de batata
1/3 de xícara de pimentão verde
2 xícaras de casca de abóbora
1 dente de alho
2 colheres (sopa) de óleo
1/2 xícara de cebola ralada
1/2 xícara de farinha de rosca
1 ovo
1 xícara de óleo para fritar

Modo de Preparo

Cozinhe a batata, descasque, esprema e reserve.
Corte o pimentão em tiras finas e rale a casca de abóbora.
Leve ao fogo uma panela com óleo, doure o alho e a cebola.
Acrescente o pimentão, a casca de abóbora e refogue.
Se necessário, coloque um pouco de água para cozinhar bem até secar.
Acrescente a batata, verifique o sal e cozinhe bem até desgrudar do fundo da panela.
Deixe esfriar.
Modele a massa em formato de bolinhas, passe no ovo e na farinha de rosca e frite em óleo quente.

Nhoque de Abobora- Pumpkin Gnocchi

Ingredientes

½ kilo de abóbora japonesa cozida e amassada
½ kilo de batata cozida e amassada
2 ovos
2 xícaras de parmesão ralado
Sal
Farinha de trigo (ate dar liga)

Como Fazer

Cozinhe e passe pelo espremedor a abóbora e a batata quente.
Despeje em uma tigela, junte os ovos, o queijo, sal a gosto e a farinha ate obter uma massa que solte das mãos. Em superfície enfarinhada faça rolinhos com porções da massa e corte os nhoques em pedaços de 2 centímetros.
Coloque os nhoques em uma panela com água fervente e quando subirem à tona retire-os com uma escumadeira. Sirva com molho, bolonhesa, ou de frango, ou de camarão.

Abóbora Assada

Ingredientes

1 kg de Abóbora (Pode ser do tipo que mais lhe agradar. Não sei especificar o tipo de abóbora que usei, porque conheço pouco. Normalmente, uso as mais laranjinhas. A casca por fora era verde-acinzentada.)

2 colheres de sopa de azeite

1 alho grande

1 Ramo de Coentros

1 colher de sobremesa de orégãos secos

Noz Moscada q.b.

Pimenta preta q.b.

sal q.b.

Preparação

1. Corte a abóbora de modo a que a casca assente no tabuleiro. Eu cortei 8 triângulos, mas podem ser fatias ou qualquer outro corte que lhe dê jeito.

2. Pré-aqueça o forno a 200º e unte um tabuleiro de ir ao forno.

3. Numa tigela coloque o alho bem picado, o sal, os coentros bem picados, a noz moscada (de preferência raspada na hora), a pimenta preta (moída na hora) e 1 colher de sopa de azeite. Envolva os ingredientes.

4. Besunte metade da abóbora com a massa de temperos e coloque-a no tabuleiro com a casca virada para baixo.

5. Pincele a restante abóbora com o resto do azeite e coloque-a no tabuleiro.

6. Leve a assar durante 45min a 1h. A meio da cozedura pode picar a abóbora para ver como ela se encontra.

7. Pode servir quente ou fria, como acompanhamento isolado ou em saladas. Também pode ser usadas para fazer sopa.

Sugestão: Pode utilizar outro tipo de especiarias ou ervas como: salsa, funcho, malagueta, tomilho, etc.

Spatzle de abóbora com gorgonzola

1/2 xícara de abóbora madura cozida e amassada
1 ovo
Água
1/2 colher (chá) de sal
1/2 colher (chá) de pimenta-do-reino triturada bem grosso
160 g de farinha de trigo (cerca de 1 e 1/4 de xícara + 1 colher (sopa))
1 pedaço de gorgonzola (só tinha 50 g)
2 colheres (sopa) de folhinhas de manjerona
1 colher (sopa) de manteiga

Numa xícara com 240 ml coloque a abóbora bem amassada, já fria. Coloque por cima o ovo e complete o volume com água. Bata no liquidificador até a mistura ficar cremosa. Passe para uma tigela, misture o sal e a pimenta-do-reino e mexa bem. Acrescente a farinha e bata bem até resultar numa massa firme e elástica. Passe pelo instrumento de fazer spätzle. Ou apoie uma tábua com a massa na borda da panela e vá cortando tirinhas com uma faca ou espátula, deixando cair direto sobre a água. Quando as cobrinhas boiarem como nhoque, tire com uma escumadeira e vá ajeitando numa travessa que deve ser mantida aquecida. Junte um pouco de azeite ou manteiga para que as massinhas não grudem.
Numa frigideira, aqueça a manteiga e deixe começar a dourar. Desligue o fogo, junte as folhinhas de manjerona, a massa e o gorgonzola ralado. Chacoalhe a frigideira para incorporar os sabores e nhac.

Rende: 3 porções

Curau de abóbora

Ingredientes

. 500 g de abóbora cortada em cubos
. 1/2 xícara (chá) de água
. 1 vidro pequeno de leite de coco
. 2 xícaras (chá) de leite
. 1/2 xícara (chá) de açúcar
. 1 colher (café) de sal
. 2 colheres (sopa) de maisena
. 4 colheres (sopa) de margarina.

Para polvilhar: Canela em pó a gosto

Modo de preparo

Em uma panela de pressão, coloque a abóbora a água e deixe cozinhar durante 20 minutos depois que a panela começar a chiar. Espere sair a pressão, abra a panela, escorra a abóbora e deixe esfriar. No liquidificador, bata a abóbora, o leite de coco, o leite, o açúcar, o sal, a maisena e a margarina. Despeje a mistura em uma panela, leve ao fogo e deixe engrossar por 30 minutos em fogo baixo, mexendo para não grudar. Se precisar acrescente mais leite até ficar em ponto de curau. Transfira para um refratário, aguarde esfriar, polvilhe a canela e leve à geladeira até que fique firme.

Dica: Sirva com queijo branco.

Fica uma delícia!

Halloween – Samhain

Halloween, comemorado no dia 31 de outubro de todos os anos, tem sua origem com os celtas, antigos povoadores da Europa Oriental, Ocidental e Ásia Menor. Entre eles habitavam os druidas (magos), adoradores do carvalho e do visco. A noite de Halloween era muito importante, porque era considerada véspera de Ano Novo. Na ilha de Man, um dos redutos em que a língua e folclore celtas resistiram ao sítio dos invasores saxões, o 1 de novembro (calendário antigo), era considerado como o dia do Ano Novo, até épocas recentes. Assim, os mascarados de Man costumavam sair às ruas nesta festividade, cantando na linguagem de Man, uma espécie de canção de Hogmanay (ANO NOVO) que começava assim: – “Hoje é dia de Ano Novo, Hogunnaa!” Não só entre os celtas, mas também por toda a Europa, o Halloween, a noite que marca a transição do outono para o inverno, parece ter sido, antigamente, a época do ano em que as almas dos mortos revisitavam seus velhos lares para se aquecerem junto ao fogo e se reconfortarem com as homenagens que lhes eram prestadas, na cozinha e na sala, pelos afetuosos parentes. Talvez fosse natural ocorrer-lhes que a aproximação do inverno trazia as pobres almas famintas e trêmulas dos campos nus e das florestas sem folhas para o abrigo das casas e o calor de suas lareiras familiares. Mas não eram apenas as almas dos mortos que deviam pairar, invisíveis, no dia “em que o outono ao inverno entrega o pálido ano”. As bruxas estão esmeravam-se em seus atos malignos, algumas cruzando os ares em suas vassouras, outras galopando pelas estradas montadas em gatos pretos que, naquela noite, se transformavam em cavalos negros como carvão. Também as fadas andavam soltas e duendes de todos os tipos vagavam livremente. Nas regiões celtas, o Halloween parece ter sido a grande época do ano para se prever o futuro. Todos os tipos de advinhações eram postos em prática naquela noite. Lemos que Dathi, rei da Irlanda no século V, estando no monte dos Druidas (Cnoc-nan-druad), no condado de Sligo, durante a festa de Halloween, mandou que seu druida lhe previsse o futuro, entre aquele dia e o próximo ano. O druida passou a noite no alto de uma colina e, na manhã seguinte, fez a previsão ao rei que se tornou realidade. No País de Gales a festa do Halloween era a mais estranha de todas as “Teir Nos Ysbrydion”, ou “Três Noites dos Espíritos”, quando o vento, “soprando sobre os pés dos cadáveres”, levava suspiros às casas dos que deviam morrer naquele ano. Acreditava-se que, se, naquela noite, alguém saísse até uma encruzilhada e escutasse o vento, ficaria sabendo das coisas mais importantes que deveriam acontecer nos próximos doze meses. Mas Halloween é conhecido também, pelos pagãos por Samhaim, e embora seja considerado um tempo de morte, é também de renascimento, simbolizado por um raminho no Ritual de Samhaim. É esta a época, em que os véus entre os mundos se tornam tênues e o espaço e o tempo tornam-se fluidos. Esta é a melhor época para estabelecer contado com a Deusa e o Deus. O Oráculo da Morte é uma prática tradicional em Samhaim. Os participantes tiram a sorte para decidir quem agirá como Oráculo. A pessoa escolhida senta-se em um canto escuro e quieto, responde as perguntas sobre o futuro. A idéia é que a Morte já saiba a resposta. Um outro costume na noite de Halloween é a Ceia dos Mudos. Uma festa para os espíritos da terra, tais como ancestrais, divindades, fadas e elementares. Os pratos devem estar cheios com alimentos e bebidas e colocados no lado de fora da porta à noite. Três velas vermelhas são colocadas ao redor dos pratos, acesas e deixadas ali para queimar durante a noite. Qualquer alimento ou bebida que sobrar pela manhã é colocado na Terra e oferecido à Deusa. Para os Druidas Celtas, o espírito de uma pessoa reside na cabeça, daí então o conceito de cabeça sagrada. A lanterna tipo cabeça de abóbora simboliza este conceito. A vela acesa dentro da abóbora representa o espírito vivo ou “awen”. Quando os povos celtas se cristianizaram, nem todos os costumes pagãos foram renunciados. Podemos dizer que o paganismo e o cristianismo se mesclaram. Não há coincidência entre a festa pagã e a festa cristã de Todos os Santos e a dos Finados, que é no dia seguinte. A festa em honra de Todos os Santos, inicialmente se celebrava em 13 de maio, mas o Papa Gregório II (741 d.C.), foi quem a trocou esta data para 1 de Novembro, que era o dia da “Dedicação” da Capela de Todos os Santos na Basílica de São Pedro em Roma. Mais tarde, no ano de 840, o Papa Greogorio VI ordenou que a Festa de “Todos os Santos”, deveria ser celebrada universalmente. Como um cerimônial mais amplo, tinha uma celebração vespertina com a “vigília” para preparar a festa (31 de outubro). Esta vigília vespertina do dia anterior a Festa de “Todos os Santos”, dentro da cultura inglesa se chamava: “All Hallow’s Even” (Vigília de Todos os Santos). Com o passar do tempo, passou-se a se chamar “All Hallowed Eve”, posteriormente trocou para “All Hallow Even” para terminar com a palavra que conhecemos hoje “Halloween”. Entretanto já desde do ano 998, San Odilo, abade do Monastério de Cluny, no sul da França, havia acrescentado a celebração de 2 de Novembro, como uma festa para rezar pelas almas dos fiéis que haviam falecido, que foi chamada da Festa dos “Fiéis Mortos”, a qual se difundiu na França e depois alcançou toda a Europa. O dia 31 de outubro, para nós “Dia das Bruxas”, ou simplesmente “Halloween”, é um feriado nos Estados Unidos que registra um volume de vendas só superado pelas Festas Natalinas. Adultos e crianças chegam a gastar 2.500 dólares em fantasias, doces e acessórios, para comemorar a noite. As cabeças de abóboras iluminadas, características desta festividade, procedem do folclore irlandês. Segundo uma história bastante difundida, um homem chamado de Jack, conhecido por beberão e baderneiro, logrou o diabo que o perseguia ao subir em uma árvore. Jack esculpiu uma cruz no tronco da árvore e assim, conseguiu livrar-se do demônio. Mas quando Jack morreu, lhe foi negada a entrada no céu, devido a seus maus atos quando esteve vivo. Mas também foi-lhe negado acesso ao inferno pelo que tinha feito a Satanás. O demônio deu-lhe então uma lanterna para que pudesse caminhar entre as sombras. A vela foi colocada dentro de um nabo e assim sua chama permaneceu duradoura Os historiadores contam que inicialmente, os irlandeses, utilizavam o nabo como lanternas, simbolizando as almas dos mortos. Ao que parece, quando imigraram para a América, comprovaram que as abóboras eram maiores e mais convenientes para serem utilizadas como lanternas. Hoje em dia, Halloween é uma festa de “baixinhos” e “grandinhos”. Todos assistem aos festivais, se disfarçam e trafegam pelas ruas pedindo doces e caramelos. Há também festas em ambientes controlados como escolas, shopings center, parques de diversões ou festas privadas. De qualquer maneira, o espírito original de Halloween é o mesmo. É uma festa de terror com tempero de muito bom humor. Todos nós podemos mostrar o nosso aspecto demoníaco brincalhão e desfrutá-lo toda a noite. A população de Salem, em Massachusetts, Estados Unidos, que é a pátria da bruxaria norte-american, celebra a “Festa dos Espantos” na noite de Halloween, uma fórmula magnífica que acharam para estender sua temporada turística de verão. A Festa de Halloween vem ganhando espaço em terreno brasileiro, muito embora, muitos sejam contra. Diferente das crianças que adoram brincadeiras, a noite de 31 de outubro para os wiccanos modernos se comemora Samhaim. No Festival de Samhaim, celebrado depois do pôr-do-sol, é tempo de dançarmos em torno da fogueira e enchermos o caldeirão de pedidos para o próximo ano, estilo feiticeiras celtas. É noite de muita animação, principalmente para nós que vivemos no hemisfério sul e estamos próximos do Solstício de Verão. As noites aqui são lindas, enluaradas, cheias de magia e luz, propícias para rituais ao ar livre. Para mim, esta é a noite mais importante do ano, pois coincidentemente, nasci em 31 de outubro. Não esqueça de direcionar suas orações para Deusa Mãe Anu pedindo abundância e prosperidade para o próximo ano.


FELIZ HALLOWEEN PARA TODOS NÓS!

Travessuras ou Gostosuras?(Trick-or-treat) A brincadeira de “doces ou travessuras” é originária de um costume europeu do século IX, chamado de “souling” (almejar). No dia 2 de novembro, Dia de Todas as Almas, os cristãos iam de vila em vila pedindo “soul cakes” (bolos de alma), que eram feitos de pequenos quadrados de pão com groselha. Para cada bolo que ganhasse, a pessoa deveria fazer uma oração por um parente morto do doador. Acreditava-se que as almas permaneciam no limbo por um certo tempo após sua morte e que as orações ajudavam-na a ir para o céu.

Bruxas

As bruxas têm papel importantíssimo no Halloween. Não é à toa que ela é conhecida como “Dia das Bruxas” em português. Segundo várias lendas, as bruxas se reuniam duas vezes por ano, durante a mudança das estações: no dia 30 de abril e no dia 31 de outubro. Chegando em vassouras voadoras, as bruxas participavam de uma festa chefiada pelo próprio Diabo. Elas jogavam maldições e feitiços em qualquer pessoa, transformavam-se em várias coisas e causavam todo tipo de transtorno. Diz-se também que para encontrar uma bruxa era preciso colocar suas roupas do avesso e andar de costas durante a noite de Halloween. Então, à meia-noite, você veria uma bruxa! A crença em bruxas chegou aos Estados Unidos com os primeiros colonizadores. Lá, elas se espalharam e misturaram-se com as histórias de bruxas contadas pelos índios norte-americanos e, mais tarde, com as crenças na magia negra trazidas pelos escravos africanos. O gato preto é constantemente associado às bruxas. Lendas dizem que bruxas podem transformar-se em gatos. Algumas pessoas acreditavam que os gatos eram os espíritos dos mortos. Muitas superstições estão associadas aos gatos pretos. Uma das mais conhecidas é a de que se um gato preto cruzar seu caminho, você deve voltar pelo caminho de onde veio, pois se não o fizer, é azar na certa.

Halloween pelo mundo

A festa de Halloween, na verdade, equivale ao Dia de Todos os Santos e o Dia de Finados, como foi absorvido pela Igreja Católica para apagar os vínculos pagãos, origem da festa. Os países de origem hispânica comemoram o Dia dos Mortos e não o Halloween. No Oriente, a tradição é ligada às crenças populares de cada país.

Espanha

Como no Brasil, comemora-se o Dia de Todos os Santos em 1º de novembro e Finados no dia seguinte. As pessoas usam as datas para relembrar os mortos, decorando túmulos e lápides de pessoas que já faleceram.

Irlanda

A Irlanda é considerada como o país de origem do Halloween. Nas áreas rurais, as pessoas acedem fogueiras, como os celtas faziam nas origens da festa e as crianças passeiam pelas ruas dizendo o famoso “tricks or treats” (doces ou travessuras).

México
No dia 1º comemora-se o Dia dos Anjinhos, ou Dia dos Santos Inocentes, quando as crianças mortas antes do batismo são relembradas. O Dia dos Mortos (El Dia de los Muertos), 2 de novembro, é bastante comemorado no México. As pessoas oferecem aos mortos aquilo que eles mais gostavam: pratos, bebidas, flores. Na véspera de Finados, família e amigos enfeitam os túmulos dos cemitérios e as pessoas comem, bebem e conversam, esperando a chegada dos mortos na madrugada. Uma tradição bem popular são as caveiras doces, feitas com chocolate, marzipã e açúcar.

Tailândia

Nesse país, existe o festival Phi Ta Khon, comemorado com música e desfiles de máscaras acompanhados pela imagem de Buda. Segundo a lenda, fantasmas e espíritos andam entre os homens. A festividade acontece no primeiro dia das festas budistas.

Alguns significados simbólicos

a abóbora: simboliza a fertilidade e a sabedoria a vela: indica os caminhos para os espíritos do outro plano astral.
o caldeirão: fazia parte da cultura – como mandaria a tradição. Dentro dele, os convidados devem atirar moedas e mensagens
escritas com pedidos dirigidos aos espíritos.
a vassoura: simboliza o poder feminino que pode efetuar a limpeza da eletricidade negativa. Equivocadamente, pensa-se que ela servia para transporte das bruxas.
as moedas: devem ser recolhidas no final da festa para serem doadas aos necessitados.
os bilhetes com os pedidos, devem ser incinerados para que os pedidos sejam mais rapidamente atendidos, pois se elevarão através da fumaça.
a aranha: simboliza o destino e o fio que tecem suas teias, o meio, o suporte para seguir em frente.
o morcego: simbolizam a clarividência, pois que vêem além das formas e das aparências, sem necessidades da visão ocular. Captam os campos magnéticos pela força da própria energia e sensibilidade.

o sapo: está ligado à simbologia do poder da sabedoria feminina, símbolo lunar e atributo dos mortos e de magia feminina.
gato preto: símbolo da capacidade de meditação e recolhimento espiritual, autoconfiança, independência e liberdade. Plena harmonia com o Unirverso

Cores


Laranja
– cor da vitalidade e da energia que gera f
orça. Os druidas acreditavam que nesta noite, passagem para o Ano Novo, espíritos de outros planos se aproximavam dos vivos para vampirizar a energia vital encontrada na cor laranja.

Preto – cor sacerdotal das vestes de muitos magos, bruxas, feiticeiras e sacerdotes em geral. Cor do mestre.

Roxo – cor da magia ritualística.

(Texto de Rosane Volpatto)

O Casamento Pagão

A cerimônia pagã de casamento, conhecida como handfasting, é uma simples união entre duas pessoas que se amam e fazem seus votos frente a frente. Ou seja, um ritual de casamento normal, como em todas as religiões. Tem origem européia e era comum em culturas célticas e eslavas. O termo vem do verbo handfast, que na era medieval era a denominação do contrato de casamento.
Existem diversas formas de ser realizada. O casal pode amarrar seus pulsos com fitas, cordas ou cabos enquanto fazem suas juras. Os votos significam um compromisso com a outra pessoa e consigo mesmo. No final da cerimônia, as mãos são soltas, simbolizando que o casal está junto por sua própria vontade.

Também são trocados anéis, que simbolizam uma aliança. A troca de alianças é um costume que tem origem no Paganismo, inclusive.
Quem pode oficiar um casamento pagão? Não há regra, mas geralmente são celebrados por sacerdotes de cada tradição, pois se entende que sejam as pessoas com maior conhecimento ali e tudo o mais.
Os casamentos pagãos não têm como regra “que sejam felizes para sempre”, mas que fiquem juntos enquanto se amem. Tradicionalmente, os handfastings duram 1 ano e 1 dia. Passado esse tempo, o casal renova seus votos se assim desejar. Eu gosto dessa idéia porque significa que você está com alguém porque quer mesmo, e não porque assinou um papel.
Geralmente a cerimônia é realizada ao ar livre, a fim de honrar os quatro elementos (terra, ar, água e fogo), e estão presentes todas as pessoas que desejam boas energias ao casal. Os votos do casal geralmente incluem amor, respeito, honra e proteção à família. Podem ser utilizados elementos para dar um ar tradicional à cerimônia, e isso depende da tradição ou vertente seguida pelo casal, mas a cerimônia básica, somente com o essencial, também é comumente realizada. A verdade é que não existe uma maneira fixa de celebrar o handfasting – depende realmente da vertente que o casal vivencia.
Não existe qualquer restrição com relação ao sexo das pessoas que celebram este ritual, assim como não há restrição quando pessoas se amam.
Como se trata de uma cerimônia de caráter religioso, os envolvidos podem querer casar-se também no que chamamos de “casamento civil”, apenas para oficializar burocraticamente a união, assim como acontece nas demais religiões.

Fotos do Casamento Celta de Jean e Rachel (Magus Magnus Magister)

Temenos

Temenos

Uma palavra usada pelos antigos gregos para definir um recinto sagrado (isto é, um templo) dentro do qual a presença de um deus pode ser sentida.

Um sinônimo de temenos é “o recipiente hermeticamente vedado”. Este é um termo alquímico usado para o continente fechado dentro do qual os OPOSTOS se transformam (ver ALQUIMIA). Devido à presença de um elemento hermético sagrado e imprevisível, não pode haver garantia de que o processo venha a ser positivo. Por analogia, o temenos psicológico pode ser experimentado como um útero ou uma prisão. A presença de um elemento errático e imprevisível no temenos psicológico fez com que Jung observasse, a propósito do continente analítico, que a PSICOTERAPIA tem êxito, quando é o caso, “Deo concedente” (um epíteto alquímico que significa “se Deus conceder”).

Aqui estamos, na dimensão do sagrado.


Entregue-se a experiência… Atire-se na vida.

“Passado e Futuro são frutos de nossa imaginação. O passado já deixou de existir: nossa mente apegada é que insiste em reter na memória os fatos bons e ruins ocorridos, mas eles não existem mais! O futuro é apenas uma projeção: é nossa mente ansiosa e cheia de desejos que inventa o amanhã!

Portanto, verdadeiramente, só podemos viver o presente! Instante após instante, aproveitando ao máximo cada momento! Como tudo está em constante mutação/transformação, apegar-se a um momento que não o presente é deixar de viver, pois se “vive” o que já passou ou “sempre se aguarda” o que está por vir. Mas a verdadeira felicidade encontra-se onde está o nosso coração, e ele está no aqui e agora.

Este é o poder do agora.

Feitiços, Poções e Encantamentos…





Poção para Fartura

1 colher de sopa de fermento
3 colheres de sopa de trigo
3 colheres de sopa de açúcar branco
Numa hora do Sol, misture todos os ingredientes no seu caldeirão e diga:
“Os deuses da fartura estão comigo. Que a prosperidade reine nessa casa! Assim seja! Assim seja! Assim seja!”
Coloque a mistura num vidro amarelo e coloque-a no sol por um dia. Essa poção (na verdade, mais na categoria dos pós mágicos que poções) pode ser salpicada nos cantos de um estabelecimento comercial, escritório ou casa. Pode ser colocado na gaveta de um escritório, ou num envelope ou pasta que estejam papéis que representem “entrada”. Cuidado para não colocar em um local onde haja contas! Na casa o melhor lugar é a cozinha, local que sustenta todo o lar.

Feitiço da Paixão Ardente

Crie ou encontre uma vareta carbonizada. Você também precisará de algumas pétalas de rosa vermelha secas, um incenso de rosa ou verbena e papel. Crie o círculo mágico, sem se esquecer de levar com você todo o material necessário. Na hora de invocar os elementos, dê ênfase ao elemento Fogo. Você pode também optar por fazer um círculo de pedras cujo regente elemental é o Fogo. Enfeite o altar com pano vermelho, flores vermelhas ou cor-de-rosa, etc (opcional). Acenda o incenso.

Usando a parte queimada da vareta como se fosse um lápis, desenhe dois corações interligados no papel enquanto você se visualiza tendo a relação que satisfaça seus desejos. NÃO pense em nenhuma pessoa em particular. Desenhe com poder. Segure as pétalas de rosa em sua mão projetiva e envie energia de amor ardente para elas. Espalhe as pétalas sobre os corações interligados. Faça isso com poder. Embale as pétalas com o papel. Jogue o pacote dentro do caldeirão. Neste momento você pode fazer uma invocação a Afrodite ou qualquer outra Deusa que você julgar apropriada, pedindo que o amor venha até você. Coloque o pacote dentro do caldeirão e ascenda uma fogueira dentro dele, sem parar de visualizar. Se desejar, pode acrescentar ervas de amor à fogueira devidamente consagradas para esta finalidade. “Veja” a energia sendo liberada e direcionada ao objetivo do feitiço, você amando alguém (uma pessoa indeterminada, porém com características que te agradem).

Desfaça o círculo em sua maneira usual. Jogue as cinzas em água corrente ou enterre (de preferência debaixo de flores. Uma roseira seria ideal). Para maior força, o feitiço deve ser feito numa Sexta-feira, quando a Lua estiver crescente ou cheia e no signo de Touro ( Escorpião também serve). Horário planetário de Vênus. O amor virá até você.

Observação: A parte mais importante é a visualização!

Para conseguir um Emprego

1 vela astral para representar você mesmo;
1 vela verde para a prosperidade;
1 vela preta para remover obstáculos;
1 vela marrom para o emprego propriamente dito;
1 vidro pequeno de óleo de patchouli;
1 pouco de canela;
1 incenso de prosperidade.

Coloque cada vela em um suporte a prova de fogo. Acenda o incenso. Unte a vela preta da base ao pavio com o óleo de patchouli. coloque-a num suporte. Limpe o óleo de patchouli das mãos pois ele não deve estar nas outras velas. Unte a vela verde, marrom e astral do pavio à base com o óleo de canela e coloque-as nos suportes. Coloque a vela preta no centro de seu local de trabalho. A marrom à esquerda. A verde à direita. Deixe a vela astral acima da vela preta. As velas devem estar sobre uma superfície segura, pois deverão queimar por completo.

Acenda a vela astral e diga:

“ Eu peço mudanças; é meu direito. Abra caminho, limpe minha visão.”

Acenda a vela preta e diga:

“O azar foge. Os obstáculos caem. Os invejosos desaparecem! Ouçam meu chamado!”

Acenda a vela verde e diga:

“ Boa sorte e prosperidade são minhas. Ajudem-me, ó Grandes. Venham a mim.”

Acenda a vela marrom e diga:

“Vejo oportunidades, trabalho e recompensas. E o que desejo deverá acontecer.”
Deixe as velas queimando completamente e livre-se da cera depois. Todas as noites, durante uma semana, ou até que a vela se acabe, acenda uma segunda vela marrom por nove minutos enquanto medita e obtém equilíbrio preparando-se para o bem, e certamente o emprego virá.

Feitiço de Emprego

Material:

Vela da Deusa
Vela do Deus
Incenso
Vela verde
Óleo de boa sorte
Vela preta
Óleo de banimento
Vela de pedidos.

Construa seu altar. Coloque a vela de petição sob da vela da Deusa e coloque a velas verde e preta sob a vela do Deus. Acenda o incenso. Unte a vela preta com o óleo de banimento e diga:

“Eu carrego essa vela para absorver todas as forças negativas atuando em mim. Enquanto essa vela queima, deixe os seus poderes absorverem todos os obstáculos no meu caminho, deixando-o caminho livre para o sucesso.”

Acenda a vela preta. Unte a vela verde com óleo de Boa Sorte e diga.

“Eu carrego essa vela para trazer-me boa sorte, prosperidade e sucesso em adquirir um novo e melhor emprego. Enquanto esta vela queima, deixe que ela atraia a boa sorte e prosperidade.”

Acenda a vela verde. Você não precisa untar a vela de petição, mas concentre-se fortemente no alvo do feitiço (se for você, veja a si mesmo(a) em um novo emprego) enquanto a acende dizendo:

“Essa vela representa (nome), que ela seja uma sinalizadora para e energias positivas. Essa vela queima brilhando, assim como a luz do coração de (nome) brilha com ambição e desejo de um novo emprego”.

Concentre-se firmemente, dirigindo seu poder para a vela de petição, que está recebendo a energia da vela verde que está queimando. Depois de 10 minutos de concentração, coloque as velas na ordem reversa. A cada dia, repita o feitiço colocando a vela verde mais perto da de petição. Seu feitiço estará completo quando as 2 velas se tocarem.

Paz no Lar

Este feitiço é útil quando há muita tensão ou tumulto no lar. Siga as instruções e, ao fazê-lo, lembre-se de concentrar-se na sua intenção de ter uma lar pacífico.
Costure um sachê (uma pequena bolsa) de tecido cor-de-rosa e/ou folhas de lavanda. Coloque dentro dele uma lembrancinha ou bugiganga para cada membro de sua família. Adicione uma pouco de lavanda, uma de rosa (branca ou cor-de-rosa), e uma de camomila. Antes de colocar as ervas, lembre-se de segurar cada uma delas de uma vez, carrega-las e visualizar a paz que você deseja.

Finalmente, coloque uma pequena ametista, quartzo rosa ou lepidolita dentro do sachê. Unte uma vela de lavanda ou uma simples vela cor-de-rosa com óleo de paz e acenda. Sente-se na frente da vela, segure o sachê em suas mãos e sussurre o seguinte encantamento sobre ele, suavemente, e por três vezes:

“Sagrada Deusa, a mais gentil,
acalma o meu lar.
Alivie toda tensão, expulse-as daqui,
para que fiquemos em paz.
Acaricia minha família com calma e tranqüilidade
e com a mais doce das felicidades.
Abençoa meu lar, ó Grande Deusa Benévola,
com seus suaves beijos calmantes.”

Coloque o sachê ao lado da vela. Deixe que a vela queime até o fim. Pendure o sachê em seu lar, preferencialmente no cômodo onde todos se reúnem ou passam mais tempo juntos. Sempre que você sentir que a tensão está tomando conta da casa, repita o encantamento 3 vezes e visualize paz irradiando do sachê e da Deusa.

Para receber poderes

Ouça agora as minhas palavras,
os segredos que nós escondemos na noite,
o mais velho dos deuses é aqui invocado,
pela magia é procurado.
Nesta noite e nesta hora,
eu convido o poder antigo
traga-nos a força
que nós desejamos.

Para banir um espírito

As cinzas às cinzas,
espírito à tomada do espírito
sua alma, banirá este mal.

Para trocar poderes

O que é meu é seu
o que é seu é meu
deixe nossos poderes cruzar
a linha que eu ofereço acima
meu presente compartilhar
da interseção de nossos poderes
através do ar.

Para acelerar o tempo

Ventos do tempo,
recolhimento ao redor.
Dê-me as asas para apressar minha maneira.
Apresse-me em minha viagem para a frente.
Deixe amanhã para ser hoje.

Para mover-se adiante no tempo

Ouçam estas palavras
a rima que emitimos
este sinal ardente
e nosso futuro
encontrarei em um outro lugar

Para criar uma porta

Se encontrar em seu trajeto
Uma estrada obstruída
Mentalize uma porta
Que se abrirá ao bater

Compreensão

Os espíritos, emitem as palavras de tudo através da terra
permitem que eu absorva-o
com o toque de uma ou outra mão
por 24 horas, de 7 a 7
que eu compreenderei
todo o mecanismo das palavras
daqui ao céu

Para ouvir Pensamentos

Acenda uma vela azul e cante:
Enquanto as extremidades da sombra e da verdade
Que das luzes da flama temem
que os pensamentos sejam abertos
a orelha disposta em minha mente
a fumaça desta vela em toda parte
trazendo para dentro
mostrando à minha mente
o pensamento

Da Boa Sorte

Deste momento em diante,
sua dor é apagada
sua sorte má depreciada
e sua sorte boa alcançada,
Pela Magia você está livre deste inferno

Para vencer o ilusionismo

O mal que viajou perto do mim
convido-o a desaparecer
Elementais ouçam meu pedido
Para remover esta criatura destas paredes.

Libertando os poderes

Ouça-se que agora as palavras das bruxas
os segredos que nós escondemos
na noite o mais velho dos deuses é invocado
aqui os trabalhos grandes da mágica
são procurados nesta noite e nesta hora
eu convido o poder antigo
e trago o poder que queremos
o poder de nos damos poder

Para a Paz e a Felicidade

Este feitiço aprisiona entidades negativas antes que possam afetar a harmonia de sua casa. Em um pedaço de papel branco escreva em forma de espiral, da borda externa para o centro do papel:

Espíritos intrusos e desarmoniosos são atraídos para esta armadilha.
Do centro vocês só podem retornar para o local de onde vieram.

Deixe-o sob o capacho da porta da frente. Se alguém tentar entrar em sua casa trazendo tais criaturas, eles serão aprisionados na porta e devolvidos ao seu lugar de origem. Sistema antigo usado pelos povos da Mesopotâmia.

Águas Curativas

Coloque uma pedra furada pela própria natureza (encontrada no leito dos rios) por 24 horas em uma lua cheia, dentro de um pote com água limpa. Remova-a e a água estará carregada com vibrações curativas que podem ser utilizadas em banhos ou para ungir talismãs de cura.

Para despertar a sensualidade

Em uma madrugada de lua cheia, colha nove gotas de orvalho de um crisântemo, e coloque-as sobre a língua. Engula-as enquanto visualiza uma flor se abrindo. Repita esse procedimento por 3 madrugadas, que com certeza sua sensualidade vai vir a tona.

Para que o amor sempre cresça em seu coração

Todo o dia admire a lua, por no mínimo 5 minutos, sentindo sua energia.

Proteção

Visualize um círculo triplo de luz arroxeada ao redor de seu corpo enquanto diz:
– Estou Protegido por seu poder, Ó Graciosa Deusa, de dia e à noite.

Quebrar um feitiço

1 punhado de cascas de alho
1 punhado de resina de mirra
1 punhado de resina de benjoim
1 pilão
1 folha de papel
1 lápis

Dia para realização: 1.º Dia da Lua Minguante

Pegue a folha de papel e com o lápis escreva o nome da pessoa que lançou o feitiço. Coloque no pilão todos os ingredientes e triture até virar pó. Espalhe o pó sobre o nome. Enquanto faz isso mentalize a pessoa. Em seguida diga em voz alta com toda sua força:

Lua poderosa que mingua, desfaça a maldade que contra mim (Fulano) lançou. Troco? quem sou eu para devolver? Deixo nas mãos dos Antigos para que decidam pelo que é certo fazer! Pelo poder do 3 vezes 3. Que assim seja e assim se faça.

Feito isto, embrulhe o pó no papel e queime no caldeirão ou em uma fogueira fora de sua casa. Terminando de queimar, recolha e jogue tudo em um jardim ou bosque distante de sua casa. Deixe o local sem olhar para trás. Você se livra do feitiço lançado e, mais importante, deixa para os Deuses julgarem e aplicarem a pena mais indicada a quem te lançou.

Para atrair um amor

1 litro de água pura de fonte ou mineral
10 grs de pétalas de calêndula
10 grs de flor de maracujá
5 grs de folha de arruda
5 grs de flores de violeta

Coloque a água para ferver num recipiente de cerâmica. Ao ferver adicione cada ingrediente, repetindo o encantamento. Depois de adicionado todos ingredientes, apague o fogo e tampe o recipiente, deixando que as ervas descansem por uns 20 minutos. Coe o líquido em um pano de algodão cru e guarde em uma garrafa durante 7 dias e 7 noites. Após um banho jogue em seu corpo um pouco dessa poção.

Antes de sair, recite o encantamento abaixo e tenha confiança em você mesma:”Ervas da natureza, filhas do frio e calor, encham meu ser de beleza e me tragam um novo amor!”