Deus Celtas Bel

O deus-pai da luz, cura e o Outro Mundo

Assim como Danu, Bel é uma das deidades mais antigas, com muitas contrapartes em outras culturas. Apartir do momento em que as tradições desenvolveram-se independentemente, determinar a verdadeira história de Bel tornar-se algo difícil. Em um resumo simples, Bel é o deus do Outro Mundo, talvez o marido de Danu, e portanto o pai titular das Tuatha Dé Dannan. Em algumas tradições, ele é chamado “o Pai dos Deuses e dos Homens”. Bel, escrito também Bile, pode ser um deus-sol, e é ligado à cura, quentura, e luz. Ele também é um deus da morte, e acompanha as almas para o Outro Mundo, onde ele rege. Ele é o deus de Beltane (Bealtainne), ou “Os Fogos de Bel”. Esta visão geral provavelmente é suficiente para a maioria dos Pagãos ou historiadores. A próxima seção deste texto é um estudo mais acadêmico. Aqueles que desejam estudar Bel em mais detalhe tem uma tarefa formidável. Por exemplo, há muitas outras denominações, nomes similares, e, possivelmente, deuses/heróis relacionados: Apollo, Balan (em Mallory), Balor, Be’al, Beil, Belatucadrus, Belenos, Belenus, Beli, Beli o Grande (Rei da Grã-Bretanha), Beli Mawr, Belinus, Bolur, Cunobelinus (Rei da Bretanha), Cymbelline (da peça de Shakespeare), Grannos, Grannus, Grian, Grianainech (Oghma), Heli (erro de transcrição na história de Geoffrey of Monmouth), Lugh, Moritasgus, Odin, Pelles. Um dos primeiros textos a serem considerados quando estudando Bel, é o do historiador Gaélico Keating, o qual escreveu o livro “Foras Feasa Ar Eirinn”, do século 17. Alguns, tais como os historiadores Michael Dames e Peter Alderson Smith, acreditam que Keating elaborou o nome “Beil” (ou Bel) para explicar o festival de Bealtainne. Outros, incluindo a historiadora Caitlin Matthews em “The Elements of Celtic Tradition” (Os Elementos da Tradição Celta), usam os textos de Keating como material fonte. Desde que os textos de Keating foram utilizados como uma fonte primaria por muitos historiadores, a validade das conclusões destes historiadores dependerá na consideração da história de Keating como verdadeira. Realmente sabemos que César referiu-se ao equivalente Romano-Celta Gaulês do deus da cura, Apollo, como Belenus. Havia um templo de Belenus em Bordeaux, França. Sua face aparecia em muitas moedas Gaulesas. Seu portal em Londres (Portal de Belenos ou Portal de Bile) é conhecido hoje como Billingsgate. No norte da Grã-Bretanha, a arqueologista Miranda Green relata que as inscrições de Belatucadrus foram encontradas, e o nome significa “Fair Shining One” ou “Belo Brilhante”, o qual é consistente com a lenda de que Bel é o deus da luz e cura, talvez até do próprio sol. Entretanto, Green também nota que Belatucadrus era associado com o deus da guerra Marte, e não Apollo. Ela relata que o deus sol Celta era Apollo Belenus na Gálica, norte da Itália, e Noricum (parte da Áustria). Entretanto, ela não mostra qualquer ligação com a história mitológica Irlandesa, particularmente com o deus Bile. Ainda mais confuso, Green registra a palavra Bile como significando “árvore sagrada” em Gaélico, embora ela não insinue qualquer ligação com o festival de Bealtainne. Em contraste, em “Celtic Gods, Celtic Goddesses” (Deuses Celtas, Deusas Celtas), R. J. Stewart verifica que o deus Romano-Celta Belenos era conhecido na Grã-Bretanha e Irlanda, apontando que a palavra “Bel” significa “luminoso” ou “brilhante”. Entretanto, enquanto ele liga o deus Bel/Belenos com a Gálea e a Bretanha, ele adverte que este é um deus da luz, não inevitavelmente parte da adoração solar. Referências Druídicas sugerem que Bel é o deus responsável pela “centelha” (de luz, inteligência ou talvez energia) a qual resulta na criatividade. Isto é um paralelo ao deus Cristão, também chamado de “o Criador”, embora a maioria dos Cristãos raramente ligam o nome ao seu significado literal. De acordo com Margot Alder em seu livro “Drawing Down the Moon”, o Druida Isaac Bonewits refere-se a um deus, Be’al, o qual ele descreve como uma personificação masculina de Essência. Isto reflete no conceito de Keating de Beil ou Bel como um deus chefe ou deus-pai. Este é um paralelo estreito com Beli, também chamado de Beli o Grande e Beli Mawr, filho de Mynogian. Em “The Mabinogion”, Beli é associado com a luz, e ele é o pai de Bran o Abençoado, e avô de Llud, a contraparte Britânica do Lugh Irlandês. De acordo com o historiador Druida Peter Barresford Ellis, este Beli é o mesmo do portal de Billingsgate em Londres; O portal de Lludd em Londres é chamado de Ludgate. Ligações a Bel na lenda e literatura podem ser em si mesmas um estudo. Por exemplo, em “Le Morte de Arthur” de Mallory, ambos Balin e Balan são ligados ao deus-sol, Belinus. A peça de Shakespeare “Cymbelline”, também narra as tradições Britânicas e Galesas de Beli Mawr. Com tamanha confusa história e inumeráveis elementos nas tradições, Bel pode ser um candidato ideal para pesquisa, contato pessoal, e inclusão eclética como um deus – ou contraparte do grande Deus Hebraico ou Cristão – em adoração pessoal.
Fonte:

Livros utilizados para preparar este artigo, e recomendados para futura pesquisa:
Dicionary of Celtic Mythology, by Peter Barresford Ellis
Celtic Gods, Celtic Goddesses, por R. J. Stewart
W.B. Yeats and the Tribes of Danu, by Peter Barresford Ellis
Celtic Myth and Legend, by Mike Dixon-Kennedy
Dicionary of Celtic Myth and Legend, by Miranda J. Green
Mythic Ireland, by Michael Dames
Glamoury, by Steve Blamires
Celtic Mythology, by Ward Rutherford
Celtic Inheritance, by Peter Barresford Ellis
The Mabinogion
Drawing Down the Moon, by Margot Alder
The World of the Druids, by Miranda Green
The elements of: The Celtic Tradition, by Caitlin Matthews
Texto Original (c) 2001 FIONNABROOME.COM
Resenha de Paty Witch Maeve

Anúncios

Runas Mágicas


Runas, teoria e prática

As Runas do Antigo Fuþark estão listadas a seguir com a sua devida “vocação mágica” e algumas associações. Você pode gravar a Runa Fehu, por exemplo, num galho de sabugueiro ou numa das três pedras sugeridas (cada uma com uma finalidade diferente) para reforçar o ato mágico. A cor em questão é a cor da gravação e não à cor do objeto onde a Runa será gravada.

Existe ainda uma orientação quanto os períodos mais favoráveis para o uso mágico de cada Runa. Como estas informações também servem para o processo divinatório, todas as correlações serão apresentadas numa tabela a parte.

Fehu
Reforça os poderes psíquicos; serve como canal de transferência ou projeção de poder; captação dos poderes dos astros para a esfera pessoal; promove a evolução pessoal/social e o aumento dos bens.
Árvore: Sabugueiro
Pedra(s): Cornalina (boa sorte e fertilidade); Turmalina Verde (transferência de energia para a esfera pessoal); Âmbar (vitalidade)
Cor: Vermelho-claro

Uruz
Serve para formar e moldar circunstâncias criativamente através da vontade e da inspiração; cura e manutenção da boa saúde física e mental; proporciona situações afortunadas (muito usada como talismã); indução das correntes magnéticas da Terra (as “Veias do Dragão”); realização da causalidade; conhecimento e compreensão do Self.
Árvore: Bétula
Pedra(s): Olho-de-Tigre (traz coragem, confiança e força)
Cor: Verde-escuro

Þurisaz
Defesa ativa; destruição dos inimigos; maldição; o despertar da vontade de agir; preparo para a geração em todos os sentidos; magia para o amor; conhecimento da divisão e da unidade de todas as coisas.
Árvore: Carvalho
Pedra(s): Ágata (proteção); Hematita (força e coragem para o combate)
Cor: Vermelho-forte

Ansuz
Aumento dos poderes mágicos ativos e passivos; desenvolvimento das habilidades clarividentes, do dom da palavra magnética e convincente, do poder de sugestão e hipnose; aquisição de conhecimento criativo; inspiração e êxtase; comunicação divina; afastamento da morte e do temor através do conhecimento de Óðinn.
Árvore: Freixo
Pedra(s): Lápis-lázuli (estabelece uma ponte entre o humano e o Divino)
Cor: Azul-escuro

Raiðo
Fortalece as habilidades rituais e sua experiência; acesso ao aviso interior; aumenta a consciência de processos naturais; atua na combinação de ritmos pessoais (internos) e exteriores; obtenção de justiça de acordo com o direito.
Árvore: Carvalho
Pedra(s): Turquesa (indica o melhor caminho rumo a um objetivo); Jacinto (assegura bons relacionamentos sociais/cooperação)
Cor: Vermelho-claro forte

Kenaz
Reforço das habilidades em todos os campos; inspiração criativa; maior polarização como instrumento de operações mágicas; operações de regeneração e cura; trabalho para o amor (principalmente sexual).
Árvore: Pinheiro
Pedra(s): Ágata de Fogo (ligação com as energias criativas da Terra); Quartzo Fumê (estimula e purifica o chacra base ou raiz)
Cor: Vermelho-claro

Gebo
Magia sexual; iniciacão mágica sexual; união mística; aumento dos poderes mágicos; harmonia entre irmãos e amantes; influência mágica nos mundos humano e Divino; aquisição de sabedoria.
Árvore: Freixo ou Olmo
Pedra(s): Esmeralda (equilíbrio dos aspectos físico, mental e emocional); Jade (pureza e serenidade; desenvolve a capacidade de amar)
Cor: Azul-profundo

Wunjo
Reforça laços e coesões; invocação de amizade e harmonia; afasta a alienação; felicidade e bem-estar, relacionamento de laços e multiplicidade de relacionamentos de todos os tipos; “acabamento” em rituais que envolvem runas de significado específico, reforçando-os.
Árvore: Freixo
Pedra(s): Topázio (traz alegria); Quartzo Rosa (abre o coração)
Cor: Amarelo

Hagalaz
Integração e balanço (= equilíbrio) de poder; experiência e sabedoria mística; proteção.
Árvore: Teixo ou Freixo
Pedra(s): Ponta de Quartzo Transparente (concentra a energia em um único ponto; ajuda a focalizar o melhor caminho para romper velhos hábitos ou estabelecer novos)
Cor: Azul-claro

Nauðiz
Superação da angústia; desenvolvimento da vontade mágica; desenvolvimento de poderes espirituais; uso da força da resistência sobre a vontade com propósitos mágicos; inspiração; elimina o ódio e as disputas; ajuda a criar uma necessidade de ordem; proteção; adivinhação.
Árvore: Faia
Pedra(s): Obsidiana (mostra ao Ego de modo rude e muitas vezes grosseiro o seu devido lugar e o que precisa para mudar e avançar para o próximo passo de desenvolvimento evolutivo).
Cor: Preto

Isa
Desenvolvimento da concentração e da vontade; contração/redução/ parada das forças dinâmicas não desejadas; integração do Ego com o sistema multiversal equilibrado; poder de controle sobre outras criaturas.
Árvore: Amieiro
Pedra(s): Gema de Sílica ou Diamante Herkimer (liberam tensões emocionais ou áreas congestionadas)
Cor: Preto

Jera
Fertilidade; criatividade; paz e harmonia; iluminação; realização da natureza cíclica do Multiverso; realização do mistério da circunferência onipresente (= a totalidade de um ciclo); trazer outros conceitos a uma realização material.
Árvore: Carvalho
Pedra(s): Ágata Musgosa (sintoniza quem a usa com as forças da natureza, ajudando o metódico a entrar em contato com seu lado intuitivo e o criativo a canalizar suas energias de modo mais prático).
Cor: Azul-claro

Eihwaz
Iniciação à sabedoria da Árvore do Mundo; realização do mistério da vida e da morte, libertando o indivíduo do medo da morte; desenvolvimento da resistência espiritual e da força de vontade; criatividade e visão espiritual; proteção de forças prejudiciais; aumento geral do poder pessoal; comunicação entre os diversos níveis da realidade (os mundos de Yggdrasil); memória de existências passadas na corrente ancestral.
Árvore: Teixo
Pedra(s): Quartzo Fumê (canaliza a energia de luz branca do chakra da coroa para o primeiro chakra, criando uma base sólida para a manifestação dos planos espirituais no plano físico).
Cor: Azul-escuro

Perþro
Percepção do Ørlög; adivinhação; a colocação das forças rúnicas na corrente da lei nórnica; desenvolvimento de idéias e eventos como ato mágico.
Árvore: Faia
Pedra(s): Ônix (dependendo da fonte de consulta o ônix pode ser consideerada uma pedra de sorte ou azar. Um dos primeiros oráculos de que se tem conhecimento, por sinal, é o “Urin & Tummin”, formado por uma pedra de ônix preta e outra branca representando o “sim” ou “não” de uma questão)
Cor: Preto

Elhaz
Proteção; defesa; comunicação mística ou religiosa com seres não-humanos; comunicação com outros mundos (principalmente Asgarðr) e as fontes Cósmicas de Urðr, Minir e Hvergelmir; fortalecimento de hamingia (= sorte) e da força vital.
Árvore: Teixo
Pedra(s): Turmalina Negra (proteção)
Cor: Ouro

Sowilo
Fortalecimento dos centros psíquicos; aumento da vontade espiritual; orientação pelo caminho; iluminação; vitória e sucesso através da vontade própria.
Árvore: Zimbro ou Junípero
Pedra(s): Diamante (amplifica a presença da Luz)
Cor: Branco ou Prata

Tiwaz
A obtenção da justa vitória e sucesso; desenvolvimento da vontade espiritual; desenvolvimento do poder de auto-sacrifício positivo; desenvolvimento da fé em magia e religião.
Árvore: Carvalho
Pedra(s): Rubi (fornece suprimento extra de energia quando o desânimo ameaça o domínio de uma situação); Bloodstone ou Heliotrópio (aumenta a coragem)
Cor: Vermelho Vibrante

Berkano
Renascimento espiritual; fortalecimento dos poderes do segredo; trabalho de encobrimento e proteção; contenção e manutenção de outros poderes; realização da unidade, da harmonia do momento como mãe de todas as coisas; traz idéias à tona no processo criativo.
Árvore: Bétula
Pedra(s): Jet ou Azeviche (grande poder de absorção da energia negativa).
Cor: Verde-escuro

Ehwaz
Simplificação da viagem da alma através dos mundos e projeção da alma em Midgarðr; realização da unidade fundamental do complexo psicossomático; concede fé e lealdade; fonte de conhecimento profético; projeção do poder mágico; rapidez e velocidade em todos os aspectos.
Árvore: Carvalho ou Freixo
Pedra(s): Turquesa ou Sardonix (estimula a autoconfiança)
Cor: Branco

Mannaz
Realização da Estrutura Divina na humanidade; aumento da inteligência, da memória e dos poderes da mente; equilíbrio dos pólos da personalidade; liberação do hugauge – a terceira visão.
Árvore: Azevinho
Pedra(s): Ametista (realiza a integração do Eu Inferior com o Eu Superior propiciando a individuação)
Cor: Vermelho-Escuro

Laguz
Orientação em testes iniciatórios difíceis; aumento de vitalidade e força de vida; coleta e reunião de poder mágico amorfo para a formação e estruturação pela vontade; aumento de magnetismo; desenvolvimento da segunda visão.
Árvore: Salgueiro
Pedra(s): Malaquita (canaliza as forças superiores para finalidades humanitárias. Para os que se encontram em processo de purificação, age como expurgador e espelho para o subconsciente, refletindo na mente consciente o que requer depuração).
Cor: Verde-Profundo

Ingwaz
Armazenamento e contenção de poder para uso ritual; ritos de fertilidade; meditação passiva; centralização da energia e do pensamento; súbita liberação de energia.
Árvore: Macieira
“Pedra(s)”: Marfim (afeta a maneira pela qual o indivíduo examina a sua existência, ajudando na concentração, na introspecção e na análise. Devido a sua origem animal, deve ser usado com muito critério – somente se for realmente necessário – ou sua energia se volta contra o mago).
Cor: Amarelo

Dagaz
Atingir o momento místico através da penetração do segredo do Paradoxo Odínico; recepção da inspiração mística.
Árvore: Abeto Vermelho
Pedra(s): Fluorita (sintoniza a mente com o espírito, desenvolvendo a compreensão intelectual da verdade, dos conceitos cósmicos da realidade e das leis que regem o universo).
Cor: Azul-Claro

Oþala
Manter a ordem entre companheiros; concentração em interesses comuns em casa, na família e na sociedade; passagem de egocentricidade para clanocentricidade (relativo ao clã); recepção de Poder Divino e sabedoria de gerações passadas; aquisição de riqueza e prosperidade.
Árvore: Espinheiro
Pedra(s): Madeira Petrificada (traz memórias e talentos de vidas passadas que servirão para despertar o dragão ancestral do poder)
Cor: Amarelo-Escuro

Alimente sua alma!

Banhos da Deusa


Banhos Ritualísticos

Os banhos ritualísticos de uma maneira geral, são rituais pagãos onde utilizamos determinados elementos da natureza, de maneira ordenada e com conhecimento de causa, com o intuito de troca energética entre o indivíduo e a natureza, afim de fornecer-lhe equilíbrio energético e mental.

Estes banhos prestam-se para limpar as energias negativas, livrar as pessoas de influências negativas, reequilibrar a pessoa, aumentar a capacidade receptiva do aparelho mediúnico, já que os chacras serão desobstruídos, enfim, tem grande importância na manutenção dos corpos.
Embora o banho utiliza-se de elementos materiais, que serão jogados sobre o corpo físico, a contraparte etérica será depositada sobre os chacras, corpo astral e aura que receberão diretamente o prana ou éter vital, bem como a parte astral dos elementos densos.

Temos algumas categorias de banhos :

Banhos de Limpeza

Esta categoria de banho, conhecido também como banho de descarga, banho de descarrego ou desimpregnação energética é o mais comum e mais conhecido. Estes banhos servem para livrar o indivíduo de cargas energéticas negativas. Conforme vivemos, vamos passando por vários ambientes, trocamos impressões com todo o tipo de indivíduo e como estamos num planeta atrasado em evolução espiritual, a predominância do mal e de energias negativas são abundantes. Todo este egrégora formado por pensamentos, ações, vão criando larvas astrais, miasmas e todo a sorte de vírus espirituais que vão se aderindo ao aura das pessoas. Por mais que nos vigiemos, ora ou outra caímos com o nosso nível vibratório e imediatamente estamos entrando neste egrégora. Se não nos cuidarmos, vamos adquirindo doenças, distúrbios e podemos até sermos obsediados.
Há dois tipos de banhos de limpezas astrais:

Banho de Sal kosher

Este é o banho mais comumente utilizado, devido à sua simplicidade e eficiência. O elemento principal que é o sal grosso kosher, é excelente condutor elétrico e “absorve” muito bem os átomos eletricamente carregados de carga negativa, que chamamos de íons. Como, em tudo há a sua contraparte etérica, a função do sal é também tirar energias negativas aderidas no aura de uma pessoa. Então este banho é eficiente neste aspecto, já que a água em união como o sal, “lava” todo o aura, desmagnetizando-o negativamente.

O preparo deste banho é bem simples, basta, após um banho normal, banhar-se de uma mistura de um punhado de sal grosso kosher, em água morna ou fria. Este banho é feito do pescoço para baixo, não lavando os dois chacras superiores (coronário e frontal).

O porquê de não poder lavar os chacras superiores, está ligado ao fato de serem estes chacras ligados à coroa da pessoa, tendo que ser muito bem cuidada, já que é o elo de ligação, através da visão etérica, entre a pessoa e o plano astral superior.

Após o banho, manter-se molhado por alguns minutos (uns 3 minutos) e enxugar-se sem esfregar a toalha sobre o corpo, apenas secando o excesso de umidade.

Algumas pessoas, neste banho, pisam sobre carvão vegetal ou mineral, já que eles absorverão a carga negativa.

Este banho é apenas o banho introdutório para outros banhos ritualísticos, isto é, depois do banho de descarrego, faz-se necessário tomar um outro banho ritualístico, já que além das energias negativas, também descarregou-se as energias positivas, ficando a pessoa desenergizada, que só é conseguido com outro tipo de banho.

Este banho, não deve ser realizado de maneira intensiva (do tipo todos os dias ou uma vez por semana), pois ele realmente tira a energia do aura, deixando-o muito vulnerável.
Existem pessoas que usam a água do mar, no lugar da água e sal grosso kosher.

Banho de Descarrego com Ervas

Este banho é mais complexo e menos conhecido do que o de sal grosso. A função deste banho é a mesma que a do sal kosher, só que tem efeito mais duradouro e conseqüências maiores. Quando uma pessoa está ligada à uma obsessão e larvas astrais estão ligadas a ela, faz-se necessário um tratamento mais eficaz. Determinadas ervas, são naturalmente descarregadoras e sacodem energeticamente o aura de uma pessoa, eliminando grande parte das larvas astrais e miasmas. Algumas ervas que são muito boas para este banho : arruda, guiné, espada de São Jorge, aroeira, folhas de fumo, etc.

Banho de Defesa

Este banho serve de manutenção energética dos chacras, impedindo que eles se impregnem de energias nocivas em determinados rituais. Por exemplo, quando vamos realizar alguma oferenda numa cachoeira, é importante que nos “fechemos” para determinadas vibrações que podem estar abundantes num sítio energético, já que além de nós, todo o tipo de pessoa vai até estes lugares para pedidos escusos, com entregas “pesadas”.

Usamos, também, quando vamos conhecer algum local ou pessoa novas e não sabemos se ele é ou nãoprejudicial a nós. A melhor prática e estudar o banho de proteção para cada situação específica, seguindo algum herbolário confiável, mas seguem aqui alguns exemplos de banhos de defesa genéricos:

Banho de Café

Este banho afasta as energias negativas, reenergiza, acaba com pesadelos e com a mania de perseguição, desde que tomado com fé, rezando antes e depois para seu guardião em especial. Acenda uma vela branca para a Deusa no início do banho e deixe queimar até o fim.

Ingredientes:

3 xícaras de café bem forte em5 litros de água.
Vela branca

Banho de Alecrim

Este banho afasta as energias negativas, reenergiza, acaba com pesadelos e com a mania de perseguição, desde que tomado com fé, rezando antes e depois para os anjos e para o seu em especial. Acenda uma vela branca para a Deusa no início do banho e deixe queimar até o fim.

Ingredientes:
3 punhados de sal marinho em
5 litros de água
Alecrim ou eucalipto

Banho Forte

Banho muito poderoso e lietarlmente deixa o corpo fechado para qualquer influência negativa. Coloque na água o sal e o vinagre. Depois tome outro banho para se reenergizar com: alecrim, arruda, alfazema, ou café com leite e chocolate…

Ingredientes:
3 colheres de sopa de sal grosso,
2 xícaras de vinagre branco,
5 a 6 litros de água.
Alecrim
Arruda
Alfazema
Café com leite e chocolate

Banho contra parasitas

Este banho afasta as energias negativas trazidas por problemas nossos e alheios, pela presença de pessoas de baixa freqüência vibratória e por nossos pensamentos negativos. Como sempre, depois de algumas horas, se faz necessário um banho reparador que pode ser de camomila, erva-doce e cidreira, ou um banho de alecrim…

Ingredientes:

7 dentes de alho roxo, ou claro inteiros e frescos,2 colheres de sopa de tomilho,
igual quantidade de sálvia seca,
a mesma porção de manjericão seco,
7 litros de água,
1 colher de sopa de sal marinho.
Camomila
Erva-cidreira
Erva-doce
Alecrim

Banho de Energização

Após tomarmos um banho de descarrego, é importante que restabelecemos o equilíbrio energético, através de um banho de energização. Este banho reativa os centros energéticos e refaz o teor positivo do aura. É um banho que devemos usar quando vamos trabalhar normalmente em giras de direita, ou mesmo, após uma gira em que o ambiente ficou carregado.

Também, podemos usá-lo regularmente, independente se somos ou não médiuns.

Um bom e simples banho : pétalas de rosas brancas ou amarelas, alfazema e alecrim. A receita a seguir e um dos mais populares banhos de energização:

Banho de Ervas

Este banho nos livra dos males e, ao mesmo tempo, reenergizam. Se as folhas estiverem frescas, macere-as e coloque-as na água quando ela estiver fervendo e apague o fogo. Se estiverem secas, deixe em infusão.

Ingredientes:

Alecrim,
Alfazema eArruda

Preparação dos Banhos

Em todos os banhos, onde se usam as ervas, devemos nos preocupar com alguns detalhes. Leia com atenção as indicações a seguir para ter a certeza de um banho eficaz.

A colheita deve ser feita em fases lunares positivas, devido a abundância de prana.
Ao adentrar numa mata para colher ervas ou mesmo num jardim, saudamos sempre os deuses ou devas responsáveis pelas folhas. Antes de colhermos as ervas, toquemos levemente a terra, para que descarreguemos nossas mãos de qualquer carga negativa, que é levada para o solo.
Não utilizar ferramentas metálicas para colher, dê preferência em usar as próprias mãos, já que o metal faz com que diminua o poder energético das ervas.
Normalmente usamos folhas, flores, frutos, pequenos caules, cascas, sementes e raízes para os banhos, embora dificilmente usamos as raízes de uma planta, pois estaríamos matando-a
Colocar as ervas colhidas em sacos plásticos, já que são elementos isolantes, pois até chegarmos em casa, estaremos passando por vários ambientesLavar as ervas em água limpa e corrente
Os banhos ritualísticos, devem ser feitos com ervas frescas, isto é, não se demorar muito para usá-las, pois o prana contido nelas, vai se dispersando e perde-se o efeito do banho
A quantidade de ervas, que irão compor o banho , são 1 ou 3 ou 5 ou 7 ervas diferentes e afins com o tipo de banho. Por exemplo, num banho de defesa, usamos três tipode de ervas (guiné, arruda e alecrim).
Não usar aqueles banhos preparados e vendidos em casas de artigos religiosos, já que normalmente as ervas já estão secas, não se sabe a procedência nem a qualidade das ervas, nem se sabe em que lua foi colhida, além de não ter serventia alguma, é apenas sugestivo o efeito.
Alguns banhos, são feitos com água fria e as plantas são masceradas com as próprias mãos e só depois, se for o caso, adicionar um pouco de água quente, para suportar a temperatura da água.
Banhos feitos com água quente, devem ser feitos por meio da abafação e não fervimento da água e ervas, isto é, esquenta-se a água, até quase ferver, apague o fogo, deposite as ervas e abafe com uma tampa, mantenha esta imersão por uns 10 minutos antes de usar. Alguns dizem que a água quente não é eficiente para um banho, mas esquecem que o elemento Fogo, também faz parte dos rituais. A água aquecida “agita” a mistura, liberando o prana das ervas.
Acender uma vela para a Deusa e manter-se em meditação e concentração, já que se está realizando um ritual.
Os banhos devem não devem ser feitos nas horas abertas do dia (06 horas, 12 horas ou meio-dia, 18 horas e 24 horas ou meia-noite), pois as horas abertas são horas “livres” onde todo o tipo de energia “corre”. Só realizamos banhos nestas horas, normalmente os descarregos com ervas, quando prescrito por um iniciado (homo saccer). Não se enxugar, esfregando a toalha no corpo, apenas, retire o excesso de umidade, já que o esfregar cria cargas elétricas (estática) que podem anular parte ou todo o banho.
Embora todo o corpo será banhado, a parte da frente do corpo é que devemos dar maior atenção, já que estão as “portas” dos chacras, além da parte frontal possuir uma maior polaridade positiva, que tem propriedades elétricas de atrair as energias negativas e que são eliminadas com o banho, recebendo carga positiva e aceleradora.
Após o banho, é importante saber desfazer-se dos restos das ervas. Aquilo que ficou sobre o nosso corpo, nós retiramos e juntamos com o que ficou no chão. Colocamos tudo num saco plástico e despachamos aquilo que é biodegradável, em água corrente.

Resenha de Paty Witch Maeve e pesquisa Morte Súbita Inc.

Dedico esse artigo a minha grande amiga Kah.

A Caixa do Esquecimento de Mnemosine

“Pois Vontade pura, desembaraçada de propósito,
livre da ânsia de resultado, é toda via perfeita.”
Aleister Crowley, AL I:44

Quando Austin Osman Spare veio com a idéia de sigilização poucas pessoas lhe deram ouvidos. Hoje entretanto este é um dos métodos favoritos entre os adeptos iniciantes por se tratar de um ferramental simples mas eficiente de realização mágica. Todavia justamente por sua simplicidade ele costuma ser feito por pessoas sem qualquer preparo mágico prévio e sem muita disciplina mental e os resultados podem não ser tão satisfatóios. A lógica por trás do funcionamento dos sigilos é a da supressão consciente de um desejo de modo a reprimí-lo na mente subconsciente. Nesse sentido Spare usa o mesmo mecanismo psicológico que costuma gerar complexos e neuroses para o seu próprio benefício.

Assim um dos fatores chaves para atingir resultados em magia é a completa eliminação do desejo consciente por resultados de modo a conseguir armazenar o desejo na mente subconsciente. O processo é semelhante a um estudante que pensa tanto nas notas que deve tirar que trava na hora da prova ou a um apaixonado que está tão dominado por seu objeto de desejo que na frente dele mal consegue falar e arruína cada possibilidade de sucesso que surge. Isso acontece porque a mente consciente projeta tantas imagens diferentes do resultado que é como se uma canibaliza-se a outra enfraquecendo a Vontade. O grande problema é que é apesar do sigilo ser um desejo disfarçado é muito difícil para os iniciantes realmente esquecerem o que aquele desenho ou mantra significa porque na verdade eles acabaram de criá-lo. Entretanto se isso não for feito nenhum sucesso pode ser esperado.

Em geral o sigilo é carregado poucas horas após ter sido concebido. Está demasiadamente fresco para que possa de fato passar pela mente consciente de forma ilesa. Para adquirir esta disciplina mental é necessário um forte domínio sobre sua própria mente. Recomendo fortemente para isso a prática do Liber E vel Exercitiorum sub figura IX de Aleister Crowley, o liber MMM de Peter Carroll, as instruções mágicas de Franz Bardon ou um quaisquer dos muitos exercícios de Vontade sugeridos por autores mais tradicionais como Levi e Papus. Vale dizer que o domínio dos exercícios passados nestes livros podem fortalecer a Vontade a tal ponto que realizar uma sigilização com eficiência se tornará apenas uma entre inúmeras habilidades adquiridas.

De fato, o esquecimento é uma chave importante que deve ser observada para qualquer cerimônia mágica, com algumas exceções que deverão ser pontuadas. A primeira é quando você consegue sair do ritual tão satisfeito que o problema original que o levou a executá-lo simplesmente não o incomoda mais e você consegue naturalmente sublimá-lo. Este é o caso por exemplo dos rituais descritos por Anton LaVey em sua Bíblia Satânica. O segundo caso é quando o ritual em si é o objetivo. Isso acontece por exemplo em rituais de iluminação, divinação e em alguns casos de evocação e invocação.

Dito isso apresentarei agora uma solução engenhosa, um tanto trabalhosa mas certamente eficiente para ajudar os iniciantes a esquecer do que os sigilos são feitos sem a necessidade de uma rígida yoga mental.

A Caixa do Esquecimento

A Caixa do Esquecimento é uma prática pré-ritualistica que pode ajudar os magistas de fato lançarem seus sigilos para o subconsciente sem mentirem para si mesmos que conscientemente não sabem do que se tratam. Seu funcionamento é simples e deve ser incorporado a rotina mágica dos interessados.

– Adquira sua própria caixa do esquecimento. Devido a sua importância psicológica ela deve ser construída pessoalmente pelo adepto. Caso lhe faltem habilidades de bricolagem será suficiente que a caixa seja decorada ou pintada de modo a se tornar uma representação da Vontade do adepto. Ela não deve ser muito grande, pois deve ser facilmente armazenável. O tamanho de uma caixa de charutos deve bastar.

– Limpe a caixa com seu ritual de banimento favorito. Após isso desenvolva um ritual específico de consagração a deusa grega Mnemosine, ou a algum deus/deusa da memória de sua preferência. A essência da intenção deste ritual é a que a divindade leve embora com ela toda lembrança dos colocado dentro da caixa.

– Feito isso liste 23 desejos que você gostaria de realizar nos próximos cinco anos. Não é necessário que sejam coisas grandiosas, o ideal é que seja uma mistura de intenções importantes e triviais. ‘Vender a casa com uma altíssima margem de lucro’ pode estar nesta mesma lista ao lado de ‘Achar um novo corte de cabelo.’. Certifique-se apenas que todos eles tornem sua vida mais completa e agradável e que não sejam contraditórios.

– Agora crie 23 sigilos para cada um dos 23 desejos. Mantenha o mesmo estilo de traçado para todos eles e desenhe-os em papeis de igual tamanho. Dobre cada papel de forma idêntica e coloque todos eles dentro de sua Caixa do Esquecimento. Por fim, guarde sua caixa em algum lugar impregnado da própria essência do esquecimento, algo como o fundo do armário ou um quarto onde você raramente vá.

– A partir de agora, sempre que você quiser lançar um sigilo, você não vai lançá-lo. Ao invés disso, crie-o e coloque-o em sua caixa exatamente como fez com os 23 sigilos iniciais. Em seguida sorteie da caixa um outro sigilo e carregue-o na sua forma de gnosis preferida. Lembre-se você só pode tirar um sigilo da Caixa do Esquecimento se colocar outro no lugar.

Conclusão

O processo descrito acima se provará muito útil pois sem dúvida aumentará perceptivelmente a taxa de sucesso em magia. Pela própria maneira como a Caixa é construída o praticante não deve se espantar caso perceba que mais de um intento se realize em um período muito curto de tempo, ainda que o número de sigilos lançados não tiver sido suficiente. Para concluir devo dizer que espero sinceramente que este pequeno atalho apresentado não desestimule os estudantes de aprimorarem suas próprias mentes com os livros sugeridos acima. Caso procedam desta forma, o farão para seu próprio prejuízo. A soberania da própria Vontade é o bem mais valioso que um magista pode ter.

Mnemósine
(quadro também chamado Lâmpada da Memória ou Recordação), de Dante Gabriel Rosseti (1876-1881)

Bons Ritos!

O Concílio de Nicéia

325 D.C – É realizado o Concílio de Nicéia, atual cidade de Iznik, província de Anatólia (nome que se costuma dar à antiga Ásia Menor ), na Turquia asiática. A Turquia é um país euro-asiático, constituído por uma pequena parte européia, a Trácia, e uma grande parte asiática, a Anatólia. Este foi o primeiro Concílio Ecumênico da Igreja, convocado pelo Imperador Flavius Valerius Constantinus (285 – 337 d.C), filho de Constâncio I. Quando seu pai morreu em 306, Constantino passou a exercer autoridade suprema na Bretanha, Gália ( atual França ) e Espanha. Aos poucos, foi assumindo o controle de todo o Império Romano. Desde Lúcio Domício Aureliano (270 – 275 d.C.), os Imperadores tinham abandonado a unidade religiosa, com a renúncia de Aureliano a seus “direitos divinos”, em 274. Porém, Constantino, estadista sagaz que era, inverteu a política vigente, passando, da perseguição aos cristãos, à promoção do Cristianismo, vislumbrando a oportunidade de relançar, através da Igreja, a unidade religiosa do seu Império. Contudo, durante todo o seu regime, não abriu mão de sua condição de sumo-sacerdote do culto pagão ao “Sol Invictus”. Tinha um conhecimento rudimentar da doutrina cristã e suas intervenções em matéria religiosa visavam, a princípio, fortalecer a monarquia do seu governo.
Na verdade, Constantino observara a coragem e determinação dos mártires cristãos durante as perseguições promovidas por Diocleciano, em 303. Sabia que, embora ainda fossem minoritários ( 10% da população do império ), os cristãos se concentravam nos grandes centros urbanos, principalmente em território inimigo. Foi uma jogada de mestre, do ponto de vista estratégico, fazer do Cristianismo a Religião Oficial do Império : Tomando os cristãos sob sua proteção, estabelecia a divisão no campo adversário. Em 325, já como soberano único, convocou mais de 300 bispos ao Concílio de Nicéia. Constantino visava dotar a Igreja de uma doutrina padrão, pois as divisões, dentro da nova religião que nascia, ameaçavam sua autoridade e domínio. Era necessário, portanto, um Concílio para dar nova estrutura aos seus poderes.
E o momento decisivo sobre a doutrina da Trindade ocorreu nesse Concílio. Trezentos Bispos se reúnem para decidir se Cristo era um ser criado (doutrina de Arius) ou não criado, e sim igual e eterno como Deus Seu Pai (doutrina de Atanásio). A igreja acabou rejeitando a idéia ariana de que Jesus era a primeira e mais nobre criatura de Deus, e afirmou que Ele era da mesma “substância” ou “essência” (isto é, a mesma entidade existente) do Pai.
Assim, segundo a conclusão desse Concílio, há somente um Deus, não dois; a distância entre Pai e Filho está dentro da unidade divina, e o Filho é Deus no mesmo sentido em que o Pai o é. Dizendo que o Filho e o Pai são “de uma substância”, e que o Filho é “gerado” (“único gerado, ou unigênito”, João 1. 14,18; 3. 16,18, e notas ao texto da NVI), mas “não feito”, o Credo Niceno, estabelece a Divindade do homem da Galiléia, embora essa conclusão não tenha sido unânime. Os Bispos que discordaram, foram simplesmente perseguidos e exilados. Com a subida da Igreja ao poder, discussões doutrinárias passaram a ser tratadas como questões de Estado. E na controvérsia ariana, colocava-se um obstáculo grande à realização da idéia de Constantino de um Império universal que deveria ser alcançado com a uniformidade da adoração divina.
O Concílio foi aberto formalmente a 20 de maio, na estrutura central do palácio imperial, ocupando-se com discussões preparatórias na questão ariana, em que Arius , com alguns seguidores, em especial Eusébio , de Nicomédia; Teógnis, de Nice, e Maris, de Chalcedon, parecem ter sido os principais líderes. Como era costume, os bispos orientais estavam em maioria. Na primeira linha de influência hierárquica estavam três arcebispos : Alexandre, de Alexandria; Eustáquio, de Antioquia e Macário, de Jerusalém, bem como Eusébio, de Nicomédia e Eusébio, de Cesaréia. Entre os bispos encontravam-se Stratofilus, bispo de Pitiunt (Bichvinta, reino de Egrisi). O ocidente enviou não mais de cinco representantes na proporção relativa das províncias : Marcus, da Calabria (Itália) ; Cecilian, de Cartago (África) ; Hosius, de Córdova (Espanha); Nicasius, de Dijon (França) e Domnus, de Stridon (Província do Danúbio). Apenas 318 bispos compareceram, o que equivalia a apenas uns 18% de todos os bispos do Império. Dos 318, poucos eram da parte ocidental do domínio de Constantino, tornando a votação, no mínimo, tendenciosa. Assim, tendo os bispos orientais como maioria e a seu favor, Constantino aprovaria com facilidade, tudo aquilo que fosse do seu interesse. As sessões regulares, no entanto, começaram somente com a chegada do Imperador. Após Constantino ter explicitamente ordenado o curso das negociações, ele confiou o controle dos procedimentos a uma comissão designada por ele mesmo, consistindo provavelmente nos participantes mais proeminentes desse corpo.
O Imperador manipulou, pressionou e ameaçou os partícipes do Concílio para garantir que votariam no que ele acreditava, e não em algum consenso a que os bispos chegassem. Dois dos bispos que votaram a favor de Arius foram exilados e os escritos de Arius foram destruídos. Constantino decretou que qualquer um que fosse apanhado com documentos arianistas estaria sujeito à pena de morte. Mas a decisão da Assembléia não foi unânime, e a influência do imperador era claramente evidente quando diversos bispos de Egito foram expulsos devido à sua oposição ao credo. Na realidade, as decisões de Nicéia foram fruto de uma minoria. Foram mal entendidas e até rejeitadas por muitos que não eram partidários de Ário.
Posteriormente, 90 bispos elaboraram outro credo (O “Credo da Dedicação”) em, 341, para substituir o de Nicéia. (…) E em 357, um Concílio em Smirna adotou um credo autenticamente ariano. Portanto, as orientações de Constantino nessa etapa foram decisivas para que o Concílio promulgasse o credo de Nicéia, ou a Divindade de Cristo, em 19 de Junho de 325. E com isso, veio a conseqüente instituição a Santíssima Trindade e a mais discutida, ainda, a instituição do Espírito Santo, o que redundou em interpolações e cortes de textos sagrados, para se adaptar a Bíblia às decisões do conturbado Concílio e outros, como o de Constantinopla, em 38l, cujo objetivo foi confirmar as decisões daquele. A concepção da Trindade, tão obscura, tão incompreensível, oferecia grande vantagem às pretensões da Igreja. Permitia-lhe fazer de Jesus Cristo um Deus. Conferia a Jesus, que ela chama seu fundador, um prestígio, uma autoridade, cujo esplendor recaia sobre a própria Igreja católica e assegurava o seu poder, exatamente como foi planejado por Constantino. Essa estratégia revela o segredo da adoção trinitária pelo concílio de Nicéia. Os teólogos justificaram essa doutrina estranha da divinização de Jesus, colocando no Credo a seguinte expressão sobre Jesus Cristo : “Gerado, não criado”. Mas, se foi gerado, Cristo não existia antes de ser gerado pelo Pai. Logo, Ele não é Deus, pois Deus é eterno!
Espelhando bem os novos tempos, o Credo de Nicéia não fez qualquer referência aos ensinamentos de Jesus. Faltou nele um “Creio em seus ensinamentos”, talvez porque já não interessassem tanto a uma religião agora sócia do poder Imperial Romano. Mesmo com a adoção do Credo de Nicéia, os problemas continuaram e, em poucos anos, a facção arianista começou a recuperar o controle. Tornaram-se tão poderosos que Constantino os reabilitou e denunciou o grupo de Atanásio. Arius e os bispos que o apoiavam voltaram do exílio. Agora, Atanásio é que foi banido. Quando Constantino morreu ( depois de ser batizado por um bispo arianista), seu filho restaurou a filosofia arianista e seus bispos e condenou o grupo de Atanásio. Nos anos seguintes, a disputa política continuou, até que os arianistas abusaram de seu poder e foram derrubados. A controvérsia político/religiosa causou violência e morte generalizadas. Em 381 d.C, o imperador Teodósio (um trinitarista) convocou um concílio em Constantinopla. Apenas bispos trinitários foram convidados a participar. Cento e cinqüenta bispos compareceram e votaram uma alteração no Credo de Nicéia para incluir o Espírito Santo como parte da divindade. A doutrina da Trindade era agora oficial para a Igreja e também para o Estado. Com a exclusiva participação dos citados bispos, a Trindade foi imposta a todos como “mais uma verdade teológica da igreja”. E os bispos, que não apoiaram essa tese, foram expulsos da Igreja e excomungados.
Tudo isso nos leva a crer que o homem chamado “Jesus Cristo” na maneira descrita nos Evangelhos nunca existiu. Suas peripécias são fictícias; não padeceu sob nenhum Pôncio Pilatos; não foi nem poderia jamais ser a única Encarnação do Verbo; e qualquer Igreja, seita ou pessoa que diga o contrário ou está enganada ou enganando. Não quero dizer com isto que um homem assim não pudesse ter nascido, pregado e padecido. Segundo a Doutrina Teosófica, teria existido um homem chamado Joshua Ben Pandira. Tais homens nascem continuamente, e continuarão a nascer por todos os tempos: Encarnações do Logos, Templos do Espírito Santo, Cruzes de Matéria coroadas pela Chama do Espírito.
Direi mais: Houve, em certa ocasião, um homem que alcançou no mais alto grau a consciência de sua própria Divindade; e este homem morreu em circunstâncias análogas (porém não idênticas!) àquelas narradas nos Evangelhos. Seu nascimento perdeu-se na noite dos tempos: ele foi o original do “Enforcado” ou “Sacrifício” no Tarô, e os egípcios o conheciam pelo nome de Osíris. Foi esse Iniciado quem formulou na carne a fórmula do Deus Sacrificado. Esta é a fórmula da Cerimônia da Morte de Asar na Pirâmide, que foi reproduzida nos mistérios de fraternidades maçônicas da tradição de Hiram, das quais o exemplo mais perfeito foi o Antigo e Aceito Rito Escocês. O Grau 33° desse rito indicava uma Encarnação do Logos, a descida do Espírito Santo; a manifestação, na carne, de um Cristo; a presença do Deus Vivo. Por volta do século IX, o credo já estava estabelecido na Espanha, França e Alemanha. Tinha levado séculos desde o tempo de Cristo para que a doutrina da Trindade “pegasse”. As políticas do governo e da Igreja foram as razões que levaram a Trindade a existir e se tornar a doutrina oficial da Igreja. Como se pode observar, a doutrina trinitária resultou da mistura de fraude, política, um imperador pagão e facções em guerra que causaram mortes e derramamento de sangue. As Igrejas Cristãs hoje em dia dizem que Constantino foi o primeiro Imperador Cristão, mas seu “cristianismo” tinha motivação apenas política. É altamente duvidoso que ele realmente aceitasse a Doutrina Cristã. Ele mandou matar um de seus filhos, além de um sobrinho, seu cunhado e possivelmente uma de suas esposas. Ele manteve seu título de alto sacerdote de uma religião pagã até o fim da vida e só foi batizado em seu leito de morte. ************ OBS.: Em 313 d.C., com o grande avanço da “Religião do Carpinteiro”, o Imperador Constantino Magno enfrentava problemas com o povo romano e necessitava de uma nova Religião para controlar as massas. Aproveitando-se da grande difusão do Cristianismo, apoderou-se dessa Religião e modificou-a, conforme seus interesses. Alguns anos depois, em 325 D.C, no Concílio de Nicéia, é fundada, oficialmente, a Igreja Católica…
Há que se ressaltar que, “Igreja” na época de Jesus, não era a “Igreja” que entendemos hoje, pois se lermos os Evangelhos duma ponta à outra veremos que a palavra «Igreja», no sentido que hoje lhe damos, nem sequer neles é mencionada exceto por aproximação e apenas três vezes em dois versículos no Evangelho de Mateus (Mt 16, 18 e Mt 18, 17), pois a palavra grega original, usada por Mateus, ekklêsia, significa simplesmente «assembléia de convocados», neste caso a comunidade dos seguidores da doutrina de Jesus, ou a sua reunião num local, geralmente em casas particulares onde se liam as cartas e as mensagens dos apóstolos. Sabemo-lo pelo testemunho de outros textos do Novo Testamento, já que os Evangelhos a esse respeito são omissos. Veja-se, por exemplo, a epístola aos Romanos (16,5) onde Paulo cita o agrupamento (ekklêsia) que se reunia na residência dum casal de tecelões, Áquila e Priscila, ou a epístola a Filémon (1, 2) onde o mesmo Paulo saúda a ekklêsia que se reunia em casa do dito Filémon ; num dos casos, como lemos na epístola de Tiago (2, 2), essa congregação cristã é designada por «sinagoga». Nada disto tem a ver, portanto, com a imponente Igreja católica enquanto instituição formal estruturada e oficializada, sobretudo a partir do Concílio de Nicéia, presidido pelo Imperador Constantino, mais de 300 anos após a morte de Cristo. Onde termina a IGREJA PRIMITIVA dos Atos dos Apóstolos e começa o Catolicismo Romano?
Quando Roma tornou-se o famoso império mundial, assimilou no seu sistema os deuses e as religiões dos vários países pagãos que dominava. Com certeza, a Babilônia era a fonte do paganismo desses países, o que nos leva a constatar que a religião primitiva da Roma pagã não era outra senão o culto babilônico. No decorrer dos anos, os Líderes da época começaram a atribuir a si mesmos, o poder de “senhores do povo” de Deus, no lugar da Mensagem deixada por Cristo. Na época da Igreja Primitiva, os verdadeiros Cristãos eram jogados aos leões. Bastava se recusar a seguir os falsos ensinamentos e o castigo vinha a galope. O paganismo babilônico imperava a custa de vidas humanas. No ano 323 d.C, o Imperador Constantino professou conversão ao Cristianismo. As ordens imperiais foram espalhadas por todo o império:
As perseguições deveriam cessar! Nesta época, a Igreja começou a receber grandes honrarias e poderes mundanos. Ao invés de ser separada do mundo, ela passou a ser parte ativa do sistema político que governava. Daí em diante, as misturas do paganismo com o Cristianismo foram crescendo, principalmente em Roma, dando origem ao Catolicismo Romano. O Concílio de Nicéia, na Ásia Menor, presidido por Constantino era composto pelos Bispos que eram nomeados pelo Imperador e por outros que eram nomeados por Líderes Religiosos das diversas comunidades. Tal Concílio consagrou oficialmente a designação “Católica” aplicada à Igreja organizada por Constantino : “Creio na igreja una, santa, católica e apostólica”. Poderíamos até mesmo dizer que Constantino foi seu primeiro Papa. Como se vê claramente, a Igreja Católica não foi fundada por Pedro e está longe de ser a Igreja primitiva dos Apóstolos…
Os documentos incluídos no assim-chamado “Novo Testamento” (a saber, os Quatro Evangelhos, os Atos, as Cartas e o Apocalipse) seriam falsificações perpetradas pelos patriarcas da Igreja Romana na época de Constantino, por eles chamado “o Grande” porque permitiu esta contrafação, colaborando com ela.
Constantino não teve sonho algum de “In Hoc Signo Vinces”. Tais lendas teriam então sido inventadas pelos patriarcas romanos dos três séculos que se seguiram, durante os quais todos os documentos dos primórdios da assim-chamada “era Cristã” existentes nos arquivos do Império Romano foram completamente alterados. O que realmente aconteceu na época de Constantino, foi que, aliados os presbíteros de Roma e Alexandria, com a cumplicidade dos patriarcas das igrejas locais, dirigiram-se ao Imperador, fizeram-lhe ver que a religião oficial era seguida apenas por uma minoria de patrícios, que a quase totalidade da população do Império era cristã (pertencendo às várias seitas e congregações das províncias); que o Império se estava desintegrando devido a discrepância entre a fé do povo e a dos patrícios; que as investidas constantes de seitas guerreiras essênias da Palestina incitavam as províncias contra a autoridade de Roma; e que, resumindo, a única forma de Constantino conservar o Império seria aceitar a versão Romano-Alexandrina do Cristianismo. Então, os bispos aconselhariam o povo a cooperar com ele; em troca, Constantino ajudaria os bispos a destruírem a influência de todas as outras seitas cristãs! Constantino aceitou este pacto político, tornando a versão Romano-Alexandrina do Cristianismo na religião oficial do Império.
Conseqüentemente, a liderança religiosa passou às mãos dos patriarcas Romano-Alexandrinos, que, auxiliados pelo exército do Imperador, começaram uma “purgação” bem nos moldes daquelas da Rússia moderna. Os cabeças das seitas cristãs independentes foram aprisionados; seus templos, interditados; e congregações inteiras foram sacrificadas nas arenas das províncias de Roma e Alexandria. Os gnósticos gregos, herdeiros dos Mistérios de Elêusis, foram acusados de práticas infames por padres castrados como Orígenes e Irineu (a castração era um método singular de preservar a castidade, derivado do culto de Átis, do qual se originou a psicologia Romano-Alexandrina). Os essênios foram condenados através do hábil truque de fazer dos judeus os vilões do Mistério da Paixão; e com a derrota e dispersão finais dos judeus pelos quatro cantos do Império, a Igreja Romano-Alexandrina respirou desafogada e pode dedicar-se completamente ao que tem sido sua especialidade desde então: AJUDAR OS TIRANOS DO MUNDO A ESCRAVIZAREM OS HOMENS LIVRES.
Em resumo: Por influência dos imperadores Constantino e Teodósio, o Cristianismo tornou-se a religião oficial do Império Romano e entrou no desvio. Institucionalizou-se; surgiu o profissionalismo religioso; práticas exteriores do paganismo foram assimiladas; criaram-se ritos e rezas, ofícios e oficiantes. Toda uma estrutura teológica foi montada para atender às pretensões absolutistas da casta sacerdotal dominante, que se impunha aos fiéis com a draconiana afirmação : “Fora da Igreja não há salvação”. Além disso, Constantino queria um Império unido e forte, sem dissensões. Para manter o seu domínio sobre os homens e estabelecer a ditadura religiosa, as autoridades eclesiásticas romanas deviam manter a ignorância sobre as filosofias e Escrituras. A mesma Bíblia devia ser diferente. Devia exaltar Deus e os Patriarcas mas, também, um Deus forte, para se opor ao próprio Jeová dos Hebreus, ao Buda, aos poderosos deuses do Olimpo. Era necessário trazer a Divindade Arcaica Oriental, misturada às fábulas com as antigas histórias de Moisés, Elias, Isaías, etc., onde colocaram Jesus, não mais como Messias ou Cristo, mas, maliciosamente, colocou Jesus parafraseado de divindade no lugar de Jezeu Cristna, a segunda pessoa da trindade arcaica do Hinduísmo. Nesse quadro de ambições e privilégios, não havia lugar para uma doutrina que exalta a responsabilidade individual e ensina que o nosso futuro está condicionado ao empenho da renovação interior e não à simples adesão e submissão incondicional aos Dogmas de uma Igreja, os quais, para uma perfeita assimilação, eram necessários admitir a quintessência da teologia : “Credo quia absurdum”, ou seja, “Acredito mesmo que seja absurdo”, criada por Tertuliano (155-220), apologista Cristão.
Disso tudo deveria nascer uma religião forte como servia ao império romano. Veio ainda a ser criados os simbolismos da Sagrada Família e de todos os Santos, mas as verdades do real cânone do Novo Testamento e parte das Sagradas Escrituras deviam ser suprimidas ou ocultadas, inclusive as obras de Sócrates e outras Filosofias contrárias aos interesses da Igreja que nascia. Esta lógica foi adotada pelas forças clericais mancomunadas com a política romana, que precisava desta religião, forte o bastante, para impor-se aos povos conquistados e reprimidos por Roma, para assegurar-se nas regiões invadidas, onde dominava as terras, mas não o espírito dos povos ocupados. Em troca, o Cristianismo ganhava a Universalidade, pois queria se tornar “A Religião Imperial Católica Apostólica Romana”, a Toda Poderosa, que vinha a ser sustentada pela força, ao mesmo tempo em que simulava a graça divina, recomendando o arrependimento e perdão, mas que na prática, derrotava seus inimigos a golpes de espada. Então não era da tolerância pregada pelo Cristianismo que Constantino precisava, mas de uma religião autoritária, rígida, sem evasivas, de longo alcance, com raízes profundas no passado e uma promessa inflexível no futuro, estabelecida mediante poderes, leis e costumes terrenos. Para isso, Constantino devia adaptar a Religião do Carpinteiro, dando-lhes origens divinas e assim impressionaria mais o povo o qual sabendo que Jesus era reconhecido como o próprio Deus na nova religião que nascia, haveria facilidade de impor a sua estrutura hierárquica, seu regime monárquico imperial, e assim os seus poderes ganhariam amplos limites, quase inatingíveis. Quando Constantino morreu, em 337, foi batizado e enterrado na consideração de que ele se tornara um décimo terceiro Apóstolo, e na iconografia eclesiástica veio a ser representado recebendo a coroa das mão de Deus.

Resumindo, isso é a própria história de terror abafada pela fé cristã. E… nós somos o lado negro da história?

Fontes:
* Instituto São Thomás de Aquino – Fundação para Ciência e Tecnologia – Dominicanos de Lisboa – Portugal.
* Documentos da Igreja Cristã, de H. Bettenson.
* UMA HISTÓRIA DA LEITURA, de Alberto Manguel, COMPANHIA DAS LETRAS – SP, 1997 ( páginas 228 a 237 ) da “LEITURA DO FUTURO” – Editora Schwarcz Ltda.
* História da Igreja Católica, Philip Hughes, Dominus.
* História Universal, H.G. Wells.
* Carta à um Maçon – Marcelo Ramos Motta
* LA MISA Y SUS MISTÉRIOS, de J. M. Ragón.
* THE ARCANE SCHOOLS, de John Yarker.
* DO SEXO À DIVINDADE, do Dr. Jorge Adoum.
* CURSO FILOSÓFICO DE LAS INICIACIONES ANTIGUAS Y MODERNAS, de J. M. Ragón.
* ISIS UNVEILED, de Helena Blavatsky, seção sobre o cristianismo

Ritual Consagração dos Instrumentos

Consagração de Instrumentos

A consagração dos instrumentos do Bruxo(a) deve ser praticada dentro de um círculo mágico de proteção.

Sugerimos que você faça o círculo usando pedras ou sal. Feito isto você está apto a executar o ritual dos elementais, ou seja, dos elementos da natureza.

Dentro do círculo trace uma cruz imaginária que representará os quatro pontos cardeais (norte, sul, leste e oeste). Procure posicioná-la para a direção correta (apontando ao norte).

– ponha o sal no ponto cardeal correspondente à Terra;
– um incenso no ponto cardeal correspondente ao Ar;
– uma vela no ponto cardeal correspondente ao Fogo;
– um cálice com água mineral ou de fonte no ponto cardeal correspondente à Água.

Observação:

A associação dos elementos com os quadrantes não é um modelo fixo, apenas um padrão.

As conexões com os quadrantes varia muito de lugar para lugar, de tradição para tradição. Existe a associação “padrão” Norte-Terra, Sul-Fogo, Oeste-Água e Leste-Ar porque para os europeus:
. o Norte é a terra escura, misteriosa, de onde “vinham os deuses”
. o Sul é de onde vem o calor, pois é onde fica a linha do Equador para eles
. o Oeste tem o oceano (água)
. o Leste traz os ventos do continente

Foi assim que eles fizeram essas relações. Nada impede que cada pessoa, tradição ou coven modifique isso de acordo com o lugar em que estão. Por exemplo, no Brasil faria mais sentido, seguindo as mesmas associações acima, o Fogo ao Norte, a Terra ao Sul, a Água a Leste e o Ar a Oeste. O que importa é manter as oposições: Terra/Fogo e Água/Ar.

Faça uma prece de agradecimento a todas as energias de cada elemento. Passe o sal pelos instrumentos (elemento terra) e diga:

EU, (seu nome), SAÚDO A TERRA, A NATUREZA E TODOS SEUS ELEMENTOS E SUA FORÇA. EU AGRADEÇO À NATUREZA COM QUE A TERRA ME PRESENTEIA TODOS OS DIAS DE MINHA VIDA.

EU, (nome), PEÇO QUE A ENERGIA DA TERRA ESTEJA PRESENTE E QUE ME TRAGA CORAGEM, ESTÍMULO, DISCIPLINA, CONFORTO, ESTABILIDADE E SAÚDE. EU PROCLAMO QUE ESSES OBJETOS PERTENCEM A MIM, DEVEM RESPONDER SÓ A MIM, ME AJUDAR E ME PROTEGER.

Respingue água em todos os instrumentos e diga:

EU, (nome), SAÚDO TODOS OS ELEMENTAIS E AS DEUSAS DA ÁGUA. EU (nome) AGRADEÇO A ÁGUA, POR TODA A ÁGUA DO PLANETA, PELA ÁGUA QUE NECESSITO PARA VIVER. EU, (nome), PEÇO AO ELEMENTO ÁGUA A INTUIÇÃO, CLAREZA, VISÃO, ENERGIA, FORÇA MÁGICA.

EU, (nome) DECLARO QUE TODOS ESTES INSTRUMENTOS PERTENCEM A MIM, E A MAIS NINGUÉM, QUE EU OS AMAREI E ELES ME AMARÃO E SERVIRÃO DE CANAL.

Acenda o incenso (elemento ar) e espalhe a fumaça sobre os instrumentos e diga:

EU, (nome), SAÚDO E INVOCO TODOS OS ELEMENTOS E DEUSES DO AR. EU (nome) AGRADEÇO AO ELEMENTO AR, PELO AR QUE RESPIRO, PELOS VENTOS, PELA INTELIGÊNCIA, PELA CRIATIVIDADE, PELAS MINHAS VIRTUDES RACIONAIS. EU (nome) PEÇO AO ELEMENTO AR, CAPACIDADE DE RACIOCÍNIO, CLAREZA DE IDÉIAS, CONDIÇÕES DE CRIAR E SER FELIZ.

EU, (nome), DECLARO QUE A PARTIR DE AGORA ESTES INSTRUMENTOS MÁGICOS ME PERTENCEM E A MAIS NINGUÉM, E ME PASSARÃO TODAS AS ENERGIAS POSITIVAS DO ELEMENTO AR.

Segure a vela acesa e diga:

Eu, (nome), SAÚDO E INVOCO TODOS OS ELMENTOS E DEUSES DO FOGO. Eu, (nome), PEÇO INTUIÇÃO SAGRADA E ENERGIA CURATIVA E CRIADORA DO FOGO PARA MINHA VIDA. EU, (nome), AGRADEÇO AO ELEMENTO FOGO PELA VIDA.

EU, (nome), DECLARO QUE TODOS ESTES INSTRUMENTOS MÁGICOS SERVIRÃO PARA OS MAIS NOBRES FINS, E ME PROTEGERÃO E CUIDARÃO DE MIM, ENQUANTO EU VIVER.

Faça uma prece e encerre o ritual.

Que assim seja!